segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

IMPERTINÊNCIAS

Passados impertinentes
Andam sozinhos nas ruas
Desafiando o presente
Que os pensa além das luas.

Luas de suspiros,
Luas de muitos ais,
Luas de aguaceiros
De tardes quentes demais.

Muitos anos se passaram
E a sensação retorna fresca,
Como foi doce o momento
De intensidade gigantesca.

Um jovem, pele macia,
Uma mulher, plena e intensa,
Colorida lembrança
Deixa respiração suspensa.

Passado vai e passa,
Com tamanha desfaçatez
Sorri, com desdém, e sai
Quer toda cena outra vez!

6 comentários:

Mar Arável disse...

Bom regresso ao meu mar

Bj

Rogerio G. V. Pereira disse...

Qué qué isto?
Letra de samba?
Cadê a música?
Cadê a dança?

ouvindo cá deste lado
eu diria que é letra de fado

(seja o que for
é bonito sim senhor)

Gato Cinzento disse...

Uma canção. Gostei!

Pedro Coimbra disse...

O meu comentário de ontem não ficou??

Fê blue bird disse...

Impertinências com sabor a fado :)
Gostei !

Um beijinho amiga Gisa

AC disse...

Senti o ritmo, a ginga, o doce enlear dos corpos...

Um beijinho, Gisa :)