quarta-feira, 26 de novembro de 2014

FUGA

Em um cavalo alado,
Rompeu o sol.
Feito em chamas,
Singrou o céus
Pousando, incandescente,
Por entre os véus 
Do imaginário pessoal
Daquela que se julgava plena.
De imediato, rolaram as peças,
Que se pensavam sólidas.
Espaços se abriram
E a força atrativa dos eus,
Exigiu pressa.
Na rapidez do piscar
Deslizaram, diante de todos,
Para as alcoviteiras entrelinhas.
Consumiram-se em texto
Sem parágrafos,
Distantes da percepção
Do traiçoeiro
Ponto final.

Um comentário:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Fuga ou queda?
Que interessa?
Sou um reconstrutor de destinos
em serviço full-time

Dá-se referências