terça-feira, 7 de outubro de 2014

TARDE?

Tudo é concreto.
Os espaços,
Habitáveis outrora
Pelo volátil, 
Compactaram-se
Em um grande monobloco.
Ela flutua no nada
Do enigmático
Buraco negro.
Busca outra dimensão,
De-ses-pe-ra-da-men-te.
Ainda há um pouco de ar nos pulmões.
Confia.
Não deve ser tarde demais.

5 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Sempre é tempo de buscarmos a boa poesia, tipo a sua.
Um abraço. Tenhas uma boa tarde.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Nunca é tarde demais
para qualquer recomeço
é sempre cedo...

Vanessa Palombo disse...

Ainda dá tempo...

Bjos

Fê blue bird disse...

Nunca é tarde para confiar de novo.

beijinho

Manuel disse...

Estamos sempre a tempo.
Enquanto houver coração há sempre tempo.