quinta-feira, 14 de maio de 2015

IDEIAS

Na vontade de rever o nascer do sol,
Distanciava-se cada vez mais
Da sua marca,
Previamente estabelecida,
Por aqueles que comandavam a cena.
Tantos foram os recuos,
Que, quando deu por si,
Já fazia parte de um outro contexto.
Entusiasmada, no novo palco,
Iniciou a história pelo seu contrário.
Quem sabe começando do fim,
Poderia traçar um começo mais interessante?

4 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Promissor, isto!
É que hoje
é sempre o primeiro dia do resto das nossas vidas...

heretico disse...

pois claro - começar pelo fim!

para quê os "entretantos"?....
há que apressar o "happy end"...

beijo

Manuel disse...

Belo poema. Boa semana!

AC disse...

Interessante conceito, Gisa.

Um beijinho :)