sábado, 29 de janeiro de 2011

PROCURA

O vidro se fechou
Fostes desaparecendo ponto a ponto da minha linha de visão.
O ciclo havia se encerrado.
Coitadas das lembranças e sensações...
Não foram avisadas do final da história
Agora vagam cegas
Condenadas a insensatez da procura
Buscando as almas
Que lhes foram, abruptamente, sonegadas.

12 comentários:

Guará Matos disse...

Precisam de luz
Oremos.

bjs.

José Sousa disse...

Adorei este poste!
Sempre venho mesmo quando não deixo comentário. Gosto do que faz.

Um beijão, bom Domingo

Arnoldo Pimentel disse...

Bom demais o poema, lembranças podem se perder, mas sempre haverá um renascer.Beijos.

Henrique Lima disse...

Muitissímo obrigado pelo comentário no meu blog, que bom que gostou do meu último post serve como incentivo!=)
Seus post's são muito bons, queria saber escrever tão bem assim, parabéns!
Grande abraço!

Déya disse...

Não sei se serei capaz de fechar o meu..
tomara que feche se sozinho..

beijo querida
um bom domingo..

Maria Lúcia Marangon disse...

Tem um selo lá no meu blog pra você. Beijos.

aristo disse...

Querida Gisa,

Bom dia!
Lindo este seu post, aliás como teu blog como um todo.
Grato pelas suas visitas e comentários no meu.
Felicidades e sucsso sempre.

Abs e bjs,

Aristides

Betha Mendes disse...

Vivemos sempre procurando... às vezes os outros, às vezes a nós mesmos. E as lembranças vão se formando!

bj

Betha

Julie disse...

Me encanta como escribes. Precioso poema.

Vanessa Souza Moraes disse...

Almas vem, almas vão.

http://vemcaluisa.blogspot.com/

Leo disse...

Almas, voam longe e alto, vem e vão, e nós sempre à espera de algo que permaneça!

Beijos e sigo!

Marinha disse...

Almas têm vida própria. Elas decidem o caminho a seguir.
Bjo