domingo, 22 de setembro de 2013

ATO

Entre as quatro paredes,
Transforma-te.
Fisionomia seca
Objetiva o que queres.
Braços envolvem,
Mãos buscam.
Entrego-me ao teu comando.
Conduzes o ato
Magistralmente.
Palavras nulas
Respiração crescente,
Tornam o comum
Em raro.
Delicio-me no silêncio da cena
Com a admiração e respeito
Dos que sabem
Apreciar a beleza bruta
Dos momentos únicos

5 comentários:

Andradarte disse...

Sem comentários, para não quebrar o
êxtase......
Uma boa semana
Beijo

Cidália Ferreira disse...

Boa tarde Gisa

Adorei!
Beijos
Bom Domingo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Gisalindamiga

E=X=T=R=A=O=R=D=I=N=Á=R=I=O!!!!

Tu és realmente uma poetisa de mão cheia. E por mãos que buscam, deixo-te um passo do Fado Falado, uma interpretação maravilhosa do genial "diseur" João Vilarett

Mãos doloridas na guitarra
que desgarra dor bizarra
Mãos insofridas, mãos plangentes
Mãos frementes e impacientes
Mãos desoladas e sombrias
Desgraçadas, doentias
Quando há traição, ciume e morte
E um coração a bater forte


Deus queira que gostes. Responde-me, sff, na nossa Travessa

A Quel manda bjs. Eu envio um abç para o Eduardo. Qjs, muitos e um grandíssimo para tu.

Henrique

Pérola disse...

Atos únicos e, quiça, inesquecíveis...

Beijo

ANTONIO CAMPILLO disse...

Aunar las respiraciones sin poder articular palabras coherentes. Sólo poder pronunciar susurros entrecortados por los besos que impiden las palabras. Escuchar las voces entrecortadas de quien solicita más y más hasta el éxtasis..., es la más agradable de las sensaciones humanas.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.