quarta-feira, 10 de setembro de 2014

GUERRA

A palidez deu lugar à cor.
Era enfática,
Gostava do destaque.
E, assim, vibrando nos tons fortes,
Iniciou o percurso.
Aquele seria um dia difícil,
Mas de imprescindível enfrentamento.

6 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Viver é lutar, amiga Denise>
Um abraço. Tenhas uma boa tarde, apesar da chuva.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Gisalindamiga

Guerra é guerra.

A estória passa-se num convento em África. Guerrilheiros assaltam o convento e começam a violar as freiras, gritando "isto é guerra!!!"; a Madre superiora, com 89 anos grita para os assaltantes: guerra é guerra!!!! rrrsss Disfarça, não te rias muito alto desta sacanice...

Não se trata de gozar com o teu poema que continua lindo como o Rio de Janeiro...

Qjs na generalidade e na especialidade para tu. Bjs da Raquel e abç ao Ed.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Nada mais me agrada
que gente determinada

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Resta saber se falamos de uma guerra indesejada ou da guerra do bom combate...

um beijo amigo

Manuel disse...

Enigmático, mas consensual.
A anedota do Henrique está incompleta, peca por falta de ênfase.
Mas gosto dessa força.

heretico disse...

e deu lugar ao arco-iris...

beijo