quinta-feira, 19 de março de 2015

PAI

Naquela praia,
Onde tudo era lindo,
Olhava o mar.
O sussurro das ondas
Era o que levaria
Para compor seu tudo
E seu todo.
Ao final,
O sentido retornaria 
À origem.
Desfez-se em pó
E ao sabor dos ventos
Singrou sem rumo certo.
Pertenceria ao infinito
Por seu todo sempre.

4 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

"Pertenceria ao infinito"

Esse é o lugar da nossa pertença e destino

Manuel disse...

Desejo um bom fim de semana.
O poema é lindo!

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Gisalindamiga

Estou praticamente curado; mas cautela e caldos de galinha...

Por isso aqui estou para te dizer que, como pai (e avô) adorei uma vez mais o teu poema. Só. E por hoje é tudo...

Bjs da Raquel, qjs às mininas e abç para o Edu

Para ti um beijão muito picante como se pode dizer em Goa. E dos nossos...

MARILENE disse...

Retornar à origem é nosso destino certo. Bjs.