segunda-feira, 16 de novembro de 2015

BATIDAS

Na forma de um véu
Deslocou-se sobre o oceano
Na esperança de vê-lo.
Durante o percurso,
Recolheu pequenos mimos.
Uma gota do mar aqui, um perfume do vento ali.
Ia determinada a encontrá-lo,
Houvesse o que houvesse.
Voou dias escaldantes 
E noites frias.
Viu luzes e escuridão.
Guiava-se apenas pelo som do coração dele
Ainda preso aos seus ouvidos.
Muito tempo depois chegou à praia.
Cansada, feliz, em êxtase.
Onde ele estaria?
Ansiosa, transmutou-se novamente em mulher.
Andou por todos os cantos e adormeceu
Na areia cálida.
Ele chegaria em breve.
Sim, ele chegaria,
Ouvia as batidas cada vez mais próximas...

2 comentários:

Jéssica Monalisa disse...

Me lembrou um pouco o conto "As águas do mundo" da Lispector.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Nenhum oceano é imenso
para um querer tão intenso

Sim, ele chegará