quinta-feira, 12 de novembro de 2015

JOGO

Um dia, os sonhos curiosos
Vieram espiar a realidade.
Divertiam-se com seus tropeços,
Terrestres e falhos.
Pairavam fugazes no cenário bifronte:
Etéreo na parte superior 
E sólido junto a base.
A realidade, 
Percebendo-os de canto de olho,
Ansiava alcançá-los, 
Quando menos esperassem,
Assim fazia-se de tonta,
Totalmente alheia à situação.
Não tolerando tamanho desdém,
Alguns sonhos, mais afoitos,
Arriscavam-se em rasantes
Momento em que restavam 
Eternamente capturados.
E, neste jogo de forças,
A vida seguia...

2 comentários:

heretico disse...

a vida é "jogo de forças". sem dúvida...

beijo

AC disse...

Voltou revigorada, Gisa. Gostei.

Um beijinho :)