quarta-feira, 26 de setembro de 2012

ORNAMENTO

Sugo da imagem
Contida na antiga fotografia
Tudo que ela me permite apreender.
Com o resultado construo um mosaico.
Peça a peça cuidadosamente arranjada.
Desenhos complexos.
Beleza plástica inconfundível.
Olho a obra e consigo reconhecer-te
Sorrindo em cada contorno.
Em um ímpeto de saudade e carência,
Desintegro-me.
Em forma de pó colorido
Começo a preencher os espaços simétricos
Existentes nos pequenos vãos.
Anseio recuperar nossa completude
Ainda que seja apenas ornamental,
Apenas para agradar aos olhos daqueles
Que circulam distraidamente pelo ambiente.

10 comentários:

Mz disse...

A arte é mesmo assim. Não agrada a todos. Por vezes apenas alguns a compreendem.

Bj

Luciano Craveiro disse...

Um amor construido peça a peça????? ;)
Bjos

Nilson Barcelli disse...

Será boa ideia fazer isso tudo "Apenas para agradar aos olhos daqueles
Que circulam distraidamente pelo ambiente"?
Em qualquer caso, o teu poema é excelente. Gostei muito, Gisa.
Um beijo.

ANTONIO CAMPILLO disse...

Pues, lo que sólo es ornamento, sólo belleza construida sobre la verdadera condición, es falso.
No es polvo homogéneo que va tapando los poros que han quedado libres, es un oropel de engaño que puede dañar con su ímpetu y falta de verdad.
¡Cuidado!

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

Julie disse...

El ornamento no lo es todo, lo importante es lo que no se ve. Precioso, como siempre. Ya regresé de mis vacaciones y te seguiré leyendo, como siempre, un placer hacerlo. Besos.

CHIICO MIGUEL disse...

Gisa,
Recuperar a nossa completude creio impossível. Mas o impossível só é possível quando acreditamos. É belo o teu pensamento e vejo que com os nossos poemas que nos curamos muitas
penas e frutações. Portanto, parabéns, minha querida amiga sempre, sempre,e
aqui me veio uma imagem de eu chegando a Pelotas e te abraçando. Que maravilhoa! Juro que se eu tivesse menos anos iria sem disfarce.
abraços daqui bem longos para chegarei aí com um beijo de flores e perfumes, música e palavras as mais lindas que houver.
Não se esqueça do seu amigo
Chico Miguel

roberto disse...

Hola Gisa, lo ornamental es ficticio, vale lo que llevamos adentro. No me olvido de los amigos solo que a veces el tiempo pasa demasiado rápido y no me alcanza para visitar a todos, pero no me olvido de pasar cada tanto.

Un abrazo, hasta pronto.

Fê-blue bird disse...

Um ornamento feito só para quem o compreende, gostei da ideia.

Amiga Gisa, quando puder passe no meu blogue tenho lá um desafio para si, espero que me perdoe :)

beijinhos e bom fim de semana

heretico disse...

bela "natureza morta"...

"pintas" muito bem!

beijo

Rogério Pereira disse...

Chego e não vejo
Mais que pó
Que fazer?
Sem tempo perder
peguei na primeira foto,
aquela em que ela assenta
um queixo e um sorriso
sobre as mãos à frente
com uma cara pousada
numa pose estudada
e coloquei-a à minha direita
Uma outra, da qual mal me lembrava
de corpo quase inteiro, coloquei-a de frente,
de forma a não poder, sequer,
dar passo adiante
Por fim, a terceira, a mais recente
(também sorridente)
coloquei-a do meu lado esquerdo

Por detrás, a parede.

Assim, cercado
Fingi não poder fugir
por um qualquer lado