quinta-feira, 11 de novembro de 2010

ENCANTAMENTO

Soam os primeiros acordes, como se prestassem uma homenagem final ao cair da tarde. Os raios de sol escorrem para dentro do horizonte, como se tivessem medo da poderosa lua cheia que começa a reinar. O perfume da noite toma conta do ar. Cítaras entoam suaves notas. Seres, ditos vivos, escondem-se com medo do que está por vir.

A clareira ilumina-se com a alva seda desprendida do luar. Começa a preparação. Figuras em silêncio tomam conta da cena. Corpos esguios, cabelos longos, mas sem nenhum rosto. Vultos da consciência. No canto oposto, envoltas em seus mantos escuros e tragicamente indisciplinadas, as sombras da inconsciência. No meio de ambos grupos e no centro de tudo, apáticos, prostraram-se eles. Não conseguiam olhar nem falar. Mesmo que assim desejassem, não poderiam, estavam de costas um para o outro, vendados e amordaçados. Sentiam frio e medo. O que viria, o que se poderia esperar, não sabiam.

Sentiram um movimento no ar. Uma mão gélida e viscosa os tocou desfazendo as amarras. Foram levados, por dois espectros mal iluminados, para seus lugares sob o toldo lilás. Havia neste local, um grande tapete branco felpudo, muitas almofadas em tons suaves, uma pequena bandeja com dois copos e uma jarra com muito bom vinho. A música intensificou-se. Sentiam-se observados, amedrontados. Pensaram em fugir. Não havia como. O caminho era sem volta. Sentaram-se. O encantamento ia começar. Queriam que terminasse o quanto antes, seriam livres após.

O perfume inebriante começou a ser lançado no ar. Estavam lânguidos, um pouco tontos. Serviram-se de vinho, beberam lentamente até o final do copo. Começaram a sentir seus corpos relaxarem. Seus músculos iam soltando lentamente a medida em que o vinho fazia efeito. Serviram-se, mais uma vez, mais outra e outra mais. A jarra, inexplicavelmente, não esvaziava. O calor começava a aquecer seus corpos.

Vestiam túnicas brancas. Ela era magra, estatura mediana, cabelos presos em uma longa trança escura, pele branca e olhos negros. Ele era um homem bonito, cabelos da cor do mel, olhos azuis, físico bem formado pelo árduo trabalho de campo. Tinha mãos fortes e queixo anguloso.

As almofadas eram macias. Aos poucos tiveram coragem de se olhar. O desejo nasceu de forma espontânea, como sempre. As bocas convidaram-se a um longo beijo, sorvido à exaustão. As mãos, até então inanimadas, nasceram para a carícia e para o desejo.

Esqueciam-se, pouco a pouco, de toda aquela situação, da perseguição, da caça, da captura, da atenta e silenciosa plateia, da dor e do sofrimento. Estavam em paz, estavam bem, estavam juntos e queriam-se cada vez mais. Desejavam-se.

Os corpos tramavam-se no frenético embate daqueles que se amam. As túnicas, molhadas de suor, deixavam os corpos mais a mostra. Tontura era tudo que sentiam, além da forte atração.
As mãos dele percorriam o corpo dela tentando entender todos seus contornos e nuances. Até parece que já não os conhecia de cor! Aos poucos, livraram-se das túnicas e nus rolavam sobre o tapete branco.
Ela queimava por dentro. Queria senti-lo cada vez mais próximo, queria absorvê-lo por completo. Ele, por sua vez, inebriado totalmente por ela, com muita determinação a invadiu. firmemente.

O tempo parou e unidos foram tragados em direção à lua, enquanto os demais assistentes sucumbiram às profundezas da terra.

O encanto se desfez e o sol começou a nascer.

8 comentários:

Marinha disse...

Sensual e cheio de ritmo, gostei muito!
Adoro ler teus textos!
Bj

Maria Lúcia Marangon disse...

Seus textos são muito bons. Parabéns!
Beijo.

Malu disse...

Gisa,

Muito bom seu texto ... :)



BjO e uma Tarde de Sorrisos.

Gisa disse...

Obrigada Marinha!
Um bj e volte sempre.


Oi Maria Lúcia, bom contar com você por aqui!
Obrigada pelo comentário.
Um bj e retorne sempre que quiser.


Oi Malu! Obrigada. Até o próximo!
Bj.

Mundo da Lili disse...

Nossa que texto excelente! Parabéns!
Bjim

Gisa disse...

Obrigada Lili!
Um bj e volte sempre que quiser

AC disse...

Gisa,
Este seu Encantamento também poderia chamar-se O Triunfo do Amor.
Lindo!

Beijo :)

Gisa disse...

Encantada fico eu com sua presença constante e força que me transmitem os seus comentários.
Obrigada querido amigo.
Um bj.