segunda-feira, 29 de outubro de 2012

BRISA

Estou muda.
A expectativa me consome.
Vela lenta
Que tem a pretensão
De iluminar o breu!
Tenho medos e vontades,
Uns querendo sobreporem-se
Aos outros.
Confusões incertas
Delírios ofuscantes.
Fecho os olhos e vou.
Entrego-me ao acaso.
Jamais me perdoaria
De não pular no precipício
De braços abertos
Aproveitando a refrescante
Brisa do espaço infinito
Antes da colisão final.
Colisão final?

14 comentários:

Cris Campos disse...

Certas colisões marcam o começo de tudo e os que assim nascem são, sem dúvida, os melhores... Gr. Bjoo minha linda! Felizzzzzzzzzzzz semana!

Rogério Pereira disse...

Não, não colidas ainda
Sei que sabes esperar
A espera será severa
Eu sei
Mas tenho tanta, tanta coisa para arrumar...

Dilmar Gomes disse...

Querida Gisa, o precipício, no caso, seria o mundo? De minha parte acho que sim. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

Flor de Jasmim disse...

Um precipício muito actual aquele em que vivemos, infelizmente dá para setir a colisão.
Boa semana Gisa

Beijinho e uma flor

Luciano Craveiro disse...

Neste momento estou prestes a colidir com a minha cama. Eis o sono que chega... kkkkkkk!!
Bjos

Fê-blue bird disse...

Uma brisa inebriante e tentadora :)
Voo nela!

beijinhos

Mz disse...

O medo retrai-nos, mas a vontade impele-nos. Difícil decisão.

Bj*

vieira calado disse...

Oh, amiga!
Atirar-se dum precipício?
É preciso calma!

Um beijinho para si!

Ivone Poemas disse...

Quantas interpretações podemos ter desses versos, mas acredite, ter calma ainda é o melhor, nem sempre podemos "nos atirar" seja onde for!!!
Abraços!!!

Vento disse...

colisão final!...
que interesser teria a vida sem as fortes emoções?!!!... ;)))

belo poema ;)

agradecendo a visita
um beijo.

AC disse...

A Gisa não é, nem nunca será, de colisões finais, a Gisa é mais de valorizar o caminho, que percorre e percorrerá sempre de forma intensa.
Feliz será o cúmplice!

Beijo :)

ricardo alves / são paulo,brasil disse...

bom e investigativo!

Sara Oliveira disse...

É um poema muito bonito!

Sara Oliveira disse...

É um poema muito bonito!