domingo, 11 de novembro de 2012

ALTOS

Do
Alto
Da
Altura
Alcançada 
Do
Alto
Do 
Seu
Salto
Mais 
Alto
Olhou
Além
Almejando
Com
Todas
Suas
Artérias
E
Veias
Se
Tornar
Alheia
Dos
Olhares
Diretos.
Conseguiu!
Vibrou 
No
Alto
Do
Seu
Salto
Alto
Mais
Alto
Brindando
Com
Sua
Mais
Alta
Auto
Estima.

11 comentários:

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Gisa, que legal. Só um talento como você consegue "brincar" com idéias e palavras dessa forma.
É muuuuito bom te ler.
Lindo domingo.
Grande beijo com carinho
Manoel

Rogério Pereira disse...

BAIXOS

Do
Baixo
da
Maior
Baixura
A que
Chega
Uma
Criatura
Do
Baixo
Mais
Baixo
Por
De baixo
do
Mais
Baixo
A que
Chega
O mais
Rebaixado
Capacho
Sem
Alma
Nem
Auto
Estima
Olhei
Por

acima

E vi-te
No
Alto
Eu
Abaixo
do
Asfalto

wcastanheira disse...

Noooossa q poema compriiiiido, juro q gostei, juro q não lembrava deste estilo literário, por isso guria vai pra ti bjos, bjos e bjosssssssssss

wcastanheira disse...

Noooossa q poema compriiiiido, juro q gostei, juro q não lembrava deste estilo literário, por isso guria vai pra ti bjos, bjos e bjosssssssssss

ANTONIO CAMPILLO disse...

Acelerar arterias y venas, subir y subir y subir... Llegar hasta lo más alto para vibrar y cimbrear en esta altura que se mueve sin descanso.
La autoestima que se posee cuando se siente al estar a esta altura implica bajar hacia las profundidades más cálidas para lograr un doble paso de la altura a las profundidades.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

CHIICO MIGUEL disse...

Gisa,
há dias que nao venho por aqui, mas a saudade bateu forte. Então me




Gisa, querida:
Lembrei de umas rimas bem populares sobre o assunto "asunto", que eu te ofereço:
"Saudade é uma dô que dá
Mas não é dô de doê;
É vontade de alembrá...
(...)
Mas onde doi ninguém vê,
E a gente pega e cutuca
Para nao deixá de doê.
Pois é, assim que o povo vê a saudade, e eu sou povo, e eu sei onde doi, eu cutuco o coração, aqui estou para tomar um remedinho contra esta dor da saudade vocè, minha amiga querida. Você sabe como nós nos gostamos, por isto passar muitos dias sem falar, dói.
Passei, sim, para te dar este abraço envolvido em poesia, nem que nao se ja minha, para envolver-me na tua poesia, das quais li algumas mais recentes entao postadas.
Olhando para alto é que vemos as estrelas, mas eu náo preciso ir tanto aqui na terra, já a vejo num jardim florido de poemas e sorrisos,
brilhando: isto também è ser e ver estrelas (sem alusão a Bilac).
Beijos bem do lado do coração.
Chico Miguel

CHIICO MIGUEL disse...

Gisa,
Desculpe-me os erros cometidos. É o sono que também me bateu.
Boa noite e bons sonhos
Francisco Miguel de Moura.

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

*Escritora de Artes* disse...

Adorei a criatividade...

Bjos querida amiga

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Bonito e interessante postagem!
Amei!

Hugo Nofx disse...

Apetece perguntar: "Como está a temperatura aí em cima?!".

beijos altivos.