segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

PORTA


Havia duas salas contíguas,
Sala A e sala B,
Havia duas almas afins,
Alma A e alma B
E havia uma porta concreta C.

A primeira habitava a primeira
A segunda habitava a segunda
E a terceira encarregava-se do isolamento necessário entre as duas anteriores.

As almas
Podiam ouvir sons,
Mas as imagens eram adivinhadas,
A porta regojizava-se.

As almas
Podiam sentir a energia que lhes eriçava os pelos
Mas o contato não era permitido.
A porta comemorava.

A escuridão da noite imperava nas salas A e B
Ocultando as almas respectivas,
Que pareciam ter sido vencidas pelo cansaço
C, confiante, adormeceu...

Embalada no sono profundo,
A porta C, nem sentiu o momento
Em que os desejos das almas A e B afloraram.
Surgiram luminosos,
Contrastando com o breu do ambiente...

E,
Em um silêncio risonho,
Pé ante pé,
Infiltraram-se por baixo de C,
Sem que a guardiã percebesse...

Deram-se as mãos 
Escoando, imdiatamente, 
em direção à alcova do subsolo
Que já os aguardava
Perfumada ...

13 comentários:

Guará Matos disse...

E...
Num frenesi despudorado e alucinante, deixavam o som ecoar!
Os gritos das invasões eram ouvidos nos mais longínquos habitats.
Todas as ordas se desperiram e o entrelaçamento foi inevitável.
Os corpos só queriam um movimento.
E o pecado era o guardião daquelas almas que envenenavam a todos com o mel da luxúria.
E assim ficamos.

Beijos.

Bjs.

AC disse...

A porta estava lá para isso mesmo e, quando as almas estivessem prontas, a fruta cairia de madura.
Sempre inspirada, Gisa!

Beijo :)

iglesiasoviedo disse...

Poema lleno de fuerza,trepidante, inquietante y esperando que las almas se consideren listas para partir.
Felices Fiestas.

Folhetim Cultural disse...

Olá parabéns pelo trabalho e pelo blog. Gostaria que visitasse meu blog que é este: informativofolhetimcultural.blogspot.com
nos siga abraços
Ass: Magno Oliveira

Déya disse...

Sempre ah e haverá uma porta entre aberta para almas prontas ah se jogarem..
apenas falta nos o frenesi tão sonhado!

lindamente (d)escrita a liberdade perfumada!
afinal ser feliz é de fato a liberdade da alma...

Um beijO minha querida...

Gilson disse...

Gisa

Muito bom, quantas vezes almas gêmeas não se encontram por barreiras como essa porta sem vergonha...rs.rs...

Abs e feliz ano novo.

Léo Santos disse...

Quando duas almas se querem, não há porta concreta que impeça. Muito bom o teu poema, alta qualidade! Parabéns!

Um abraço! Feliz Ano Novo!

silvioafonso disse...

.

Não em pessoa, mas em pensamento fui, vi
e dou testemunho do amor que havia ali.

Adorei o seu BLOG e por isso, passo a
segui-lo
Ficaria honrado se você seguisse o meu.

silvioafonso




.

Zatonio disse...

E o amor venceu! Lindo...minha amiga. Beijo!

Luis Nantes® disse...

Nossa Gisa!! Um poema... Belo, tá? Quem sabe, faz como fez e quem não sabe, como eu, lê e aplaude em pé feliz da vida...
Beijos minha linda

Marinha disse...

O amor atrai e não há porta que segure o desejo de quem ama. Adorei, amiga!
Bjooo

Gisa disse...

Ah Guará, acho que nossa parceria é necessária!!
Um bj querido amigo.

Sim AC portas são passagens, mais cedo ou mais tarde acabam abrindo. Um bj querido amigo.

Obrigada Iglesias, boas festas para ti também!

Obrigada pela presença por aqui Magno. Vou passar sim. Um bj.

E o perfume Déya é uma delícia! Um bj querida amiga

Ah Gilson, mas as almas são mais espertas e driblam as portas! rsrsrs
Um bj querido amigo.

Obrigada Leo! Um bj

Obrigada e seja bem-vindo Silvio! Vou passar por lá. Um bj

Viva! Um bj Zatonio!

Obrigada pelo carinho Luis! Um bj querido.

Obrigada Marinha! Já estava com saudades tuas! Um bj querida amiga.

Lully disse...

Acho que a porta é o superego das salas. Mas nada que um sofá não o faça sucumbir.
Beijo!