sábado, 28 de maio de 2011

SOMBRA

Caminhava depressa
Tentando impedir
Que sua sombra,
Aproveitando o final de luz da tarde,
Fugisse antes de chegar em casa.
Pisava forte para mantê-la presa aos seus pés.
Só não contava que a escuridão,
Disfarçada de nuvem,
Viesse ajudá-la a escapar...
Em um lampejo,
Pode ainda vê-las, de mãos dadas,
Dobrar a esquina...
Claramente debochando da sua incapacidade
De controle da situação.

14 comentários:

OceanoAzul.Sonhos disse...

Gisa, você é fenomenal. Adorei!
beijos
oa.s

Cores da Vida... disse...

Oi Gisa,

Que pitoresco...!! Muito gostoso...

Beijos e bom domingo,

C. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rogério Pereira disse...

DONO DO JOGO

Acreditem ou não tenho mil poderes
Poderes para dar, vender e até usar
Hoje resolvi
em luz de fim de tarde me mascarar

Assim fiz
com luz
projectando sombras sobre quem quis
para logo de repente me converter em escuridão
tirando o que antes tinha dado,
Com a mesma prontidão

Apareceram lampejos contrariando
esta diversão
Então,
irado,
por me terem roubado a brincadeira,
transformei-me num anel intensamente iluminado
roubando a sombra desejada
fiquei com ela a noite inteira
tornando essa sombra em sombra amada
A outra sombra se sumiu
para onde?
Ninguém sabe, ninguém viu...

Se por acaso encontrar
uma sobra a chorar
não dê grande importância
Quando a verdadeira noite aparecer
essa sombra tudo irá esquecer

Leonardo B. disse...

[o homem sem a sua sombra fica despojado da sua melhor roupa, o seu grande traje... ainda que seja remendada, a sombra faz falta, por sinal maior de luz]

um imenso abraço, Gisa

Leonardo B.

Paulo Francisco disse...

Como sempre a dualidade no caminho...
Um beijo grande.

Sam. disse...

Gisa, adoro passear por aqui e me deliciar com tuas letras...
mas desde o meio dessa semana o blogger entrou em crise comigo e simplesmente não conseguia acessar e qdo conseguia não me deixava entrar nos blogs amigos...
peço desculpas pela ausência nos comentários...acho que agora voltou "ao normal"

Um beijo, querida!

AC Rangel disse...

Que texto gostoso. Muito bom poder brincar assim com as sombras. Nos faz retornar à infância, imaginar muitas delícias daquela época.
Beijos...

Lufe disse...

Mas ele seguro e persistente, as persegue:
- Acham que fogem de mim?
Ao dobrar a esquina as avista,
correndo pelos vãos das portas,
aproveitando réstias de luz.
Célere aperta o passo,
sabendo que o cair da noite
as escondera para sempre...
No segundo quarteirão as alcança
num passe de mágica as captura.
Impávido assume o controle,
tem agora duas sombras, não apenas uma.
Cabe um ménage aí?

bjo

Catia Bosso disse...

Perder o controle da situação é algo muito limitado... mas perder de vista a sombra já se torna a coisa mais poética...

Adorei!

bj

Catia

Malu Machado disse...

hahaha Estou aqui me lembrando de Peter Pan, o menino que não queria crescer, perseguindo sua sombra que gentilmente foi costurada por Wendy para nunca mais fugir. Triste destino da sombra de Peter Pan, sempre presa a seu dono, sem poder dar uma escapadinha rss

Adorei o poema. Lindo e perspicaz, como sempre.

iglesiasoviedo disse...

Las sombras que siempre le siguen a uno, te acompañan, pegadas a tu cuerpo sin dejarte nunca, ellas te controlan, es difícil controlar y fácil ser controlada.
Un beso.

wcastanheira disse...

Guria, tú foi mais uma vez tri legal, tú arrasa com um texto simples, tipo arros c/feijão, porém com um tempero especial, pra ti vão bjos, bjos e bjossssss

CHIICO MIGUEL disse...

Gisa, li alguns de seus poemas neste blog. Mas o motivo deste comentário é outro. Sei que você é geminiana, minha irmã, minha amiga, sonhadora como eu. Assim, quero deixar aqui meus parabens pelo seu aniversário, e que seus anos se repitam continuamente,para a alegria de sua família, seus amigos (entre os quais me encontro, com muita honra),seus poetas e correspondentes, todos. Saúde e paz.
Beijos do coração - Eu te admiro e estimo.
Francisco Miguel de Moura