segunda-feira, 2 de maio de 2011

SOMBRAS

A luz da vela bruxuleava,
Mas ainda tinha forças para dar vida às sombras
Que ela queria tão desesperadamente ocultar.
Tinha medo do que aquelas estranhas imagens
Poderiam querer devorar dessa vez...
Restava-lhe pouca coisa a oferecer.

23 comentários:

Richard disse...

La vérité n'est pas toujours belle à voir, et pourtant, on est bien obligé de s'y confronter. L'ombre, la nuit, l'obscurité, par contre, nous permettent de rêver et de faire des projets.
Bonne soirée, Gisa!

A.S. disse...

Gisa,

A luz de uma vela será sempre uma ajuda e uma guia em todas as escuridões...


Beijos,
AL

Rogério Pereira disse...

Consta
Que em longinqua povincia chinesa
Numa aldeia rural
Em ambiente assim precário
Uma humilde chinesa
Não escondeu a sombra
da sua vela acesa
Antes a exibiu com dotes tão criativos
que os invasores, esfaimados
da voracidade ficaram esquecidos
Pela tão insólita hospitalidade
levaram a chinezinha
para a mais próxima cidade
Cidade de luzes fortes, claras,
sempre acesas
Onde ainda hoje se encontra
oferecendo sombras chinesas

Casou
e por lá ficou...

iglesiasoviedo disse...

Preciosa poesía, nada mas apropiado que las sombras mortecinas que la llama de una vela, para dejar volar la imaginación y despertar todos nuestros fantasmas, ilusiones o nuestras peores pesadillas.
Un beso.

Andressa disse...

O importante é a sombra não ter mais força pra dar escuridão às velas.

Meire disse...

Muito fofo tudo aqui, adorei seu blog. Seguindo. bjs =)

jeanfi disse...

Il y a des vérités qui parfois font peur !
bises

Rô... disse...

oi Gisa,

enquanto existir sombras,
sinal de que a chama da vela também existe...
e isso que importa,

beijinhos
sabor
garoa paulistana

C. disse...

Se resta ainda alguma força, e ainda mais pra dar vida à algo, nao há sombra que nao se desfaça.

Sempre inspiradíssima minha amiga :>

grande beijo e um calorzinho atípico dessas bandas.

Malu Machado disse...

A vela é boa provedora de luz. Até sua última cera, cumpre sua sina. Até que outras velas se junte a ela ou até que o clarão do sol ilumine a todos nós.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Gisalindamiga

Poema pequeno, mas belíssimo. É como a essência, concentrado, porém sublime. Permito-me transcrever: «A luz da vela bruxuleava,
Mas ainda tinha forças para dar vida às sombras...» Lindo, como é linda a Autora. NOTA: A Raquel continua lá dentro na sala a ver televisão. Vou já acabar isto, antes que ela veja rsrsrs...

Qjs mts

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

P=E=D=I=D=O D=E A=U=X=Í=L=I=O

H=E=L=PPPPPPPPPPPPPPPPP!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Esta coisa dos selos, selinhos & cia, anda a deixar-me (quase...) sem dormir. Já tenho pedido a ajuda que renovo. Poderás tu, minha querida Amiga,

EXPLICAR-ME COMO SE RECEBE E SE POSTA???????

Não haja dúvidas (e muito menos dívidas...): burro velho vê-se e deseja-se para aprender... o que quer que seja... rsrsrs

+++ gjs

OceanoAzul.Sonhos disse...

E que sombras ocultas serão essas? Para desvendar ou apagar definitivamente a chama??
beijos querida
oa.s

Vera Lúcia Duarte disse...

Oi Gisa,
Como uma obra tão pequenina pode ser tão expressiva?
Só pode ser coisa de poeta!!!
Beijo.

Déya disse...

Enquanto houver uma fresta de luz
será muito a oferecer...
beijos queridona...

Lufe disse...

Ela não percebe que a sombra nada mais é do que uma projeção dela mesma. Olhar para a sombra e ter medo é semelhante a se olhar no espelho e também o ter. A sombra talvez materialize a alma insegura, intranqüila, que tenta esconder bem lá no fundo as coisas que a atormentam. Escuras, deformadas, tétricas, elas assustam mais.
Vencendo seus medos, caminhando para a luz, ela se conscientizará que tem muito a oferecer e não será qualquer sombra fantasmagórica que a deterá.

bjoca

Dave disse...

Mas a força ela não perdeu!

dja disse...

Minha lindona

Como sempre lindo tudo que escreve Gisa.

beijinhos
te doloooo.

Sandra disse...

Há sombras que passam na vida cantando...será à espera da luz de velas?
Beijinho

Carla Ceres disse...

Belo jogo de luz e sombra! Parabéns, minha linda! Beijos!

Marcelo Portuária disse...

Enquanto o silêncio constrói a reflexão, uma aquarela imprime sentimento; o raio de luz e o reboo do trovão são versos de um mesmo fenômeno.
Continue rimando.
Belo post.
Marcelo.

Visite: alfarrabiosdeoutrora.blogspot.com
cidadaniadoscapitais.blogspot.com

Julie disse...

Conozco esa llama de la vela... Con ella encencida los versos son más hondos. Bellísimo.

Diogo Menezes disse...

por quanto tempo ainda temos algo para oferecer né ?

também tenho um blog, mas é de poesias.

depois passa lá.

http://sincerossuspiros.blogspot.com/