domingo, 20 de novembro de 2011

BOLSO

Do fundo do teu bolso,
Posso ouvir os batimentos do teu coração,
Posso debruçar-me na aba e sentir a brisa do mar,
Posso me aconchegar no teu peito e me aquecer nos teus pelos.
Do fundo do teu bolso,
Posso ir aos mais diversos locais,
Posso ouvir todos os teus segredos,
Posso viver a tua vida sem que me notem.
Do fundo do teu bolso,
Posso delimitar meu lugar na tua alma,
Cavar um côncavo
E enfeitá-lo com minhas bem tecidas teias
Os meus mais inebriantes perfumes
E as poderosas magias que escolhi com cautela para esse momento.
Assim, mesmo que eu me vá um dia,
Por vontade própria ou por ser banida,
Minha marca teimosa
Ficará em ti
Forçando-te a cada respiração
A lembrança de que
Um dia
Eu tentei te fazer feliz.

7 comentários:

QUIM disse...

por vezes agente tenta fazer o outro feliz..mas esse alguém não quer ser feliz com agente..bj nessa alma linda..bom domingo

Sabryna Gonçalves disse...

" Do fundo do teu bolso,
Posso delimitar meu lugar na tua alma(...)",sempre sabemos o nosso lugar, mesmo sabendo que nem sempre alguém merece a nossa tentativa de fazê-lo feliz.
Beijos =)

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Gisa, linda tentativa. Sem sucesso apesar de tanto conhecimento.
Beijo no coração.
Manoel.

iglesiasoviedo disse...

"Um día eu tentei te fazer feliz", es con lo que me quedo en mi interior de este hermoso poema. No pido mas en esta vida.
Un hermoso beso.

Rogério Pereira disse...

Inadvertidamente
Meti no bolso
As chaves e um bilhete
O bilhete tinha indicado
desenhado
o caminho:
Depois de contar três nuvens
Segue em frente
até não haver gente
Vira à direita,
segue o sentido do vento
até encontrar
um portão largo
Estarei, do outro lado
sem defesa nem compromisso
O portão abre-se com a chave da ponta
nenhuma das outras conta
Depois sussurra meu nome, só isso.

Só por mera distracção
me chegarás ao coração

VeraBruxa disse...

Olá!
A tentativa de fazer o outro feliz, tecer teias, deixar marcas,...é um jeito de ser feliz. Não tentar, é não viver!
Abraço.

ANTONIO CAMPILLO disse...

Forzar situaciones tratando de hacer que alguien diferente de ti mismo trate de sentir como tú, puede ser tan arriesgado como, a veces, inútil.
Mucho se debe conocer a la persona a la que se ama, Gisa, para estar seguro de poder hacerla feliz muy a su pesar, sin saber muy bien si se siente feliz de que queramos hacerle feliz a el/ella.

Un fuerte abrazo, Gisa.