sábado, 12 de novembro de 2011

PARASITA

Apagou a luz do ambiente.
Girou a chave 
Até a volta completa se fazer.
Ligou a ducha.
Sob a cálida água,
Tremeu ao ver a ansiedade
Escorrer por seu corpo, 
Aos gritos de protesto,
Próprio dos parasitas que são arrancados do hospedeiro.
Sendo rapidamente engolida pelo escuro  ralo.
Empurrou com o pé, ainda atônita,
Os últimos vestígios 
Daquilo que, um dia,
Pensou que nunca mais iria se libertar.

14 comentários:

Richard Moisan disse...

J'imagine... sous la douche... Tout un programme...
Bon week-end, Gisa!

Humberto Dib disse...

Libertarmos de certas coisas pode ser incrivelmente difícil, mas absolutamente necessário.
Um beijo enorme.
HD

Leo disse...

Que a à leve embora tudo aquilo que nos prende de viver em paz.

Sérgio Pontes disse...

Adoro ler-te, beijinhos

Daniel Quirós-Cruz disse...

Sempre é agradável ler-te colega minha, e sim, algumas vezes o ótimo é separar-nos de aquilo que consome a nossa alma e corrói as entranhas.

Beijão!

Quino disse...

Hola Gisa,

Pasa por mi blog, tienes una sorpresa. Espero que te guste.

Beijos dende Galiza.

Flor de Jasmim disse...

Gisa
Intenso!!!
Beijinho e uma flor

Rogério Pereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rogério Pereira disse...

Parasita?
Vestígios afastados com o pé?
Vestígios esses, pequenos, né?
E os grandes?
Os contidos
na água do duche, de lavar
na água de beber
na água do rio a correr
na água do mar
na água que cai, na chuva
na água límpida e na turva
na água fria, na cálida
e na pequena água
contida em sua lágrima?

Mery disse...

Olá, "parasita"...difícil nos livrar-mos deles, como fazer?
Jogar fora no lixo? É questão pra entender, pois é...têm parasitas terríveis, "piolho", carrapato", ui!
Que chato!
Querida, beijo grande, se der, me visita, meu post tem a ver com o teu...gostaria de saber a tua opinião.
Até, bom feriado, muita paz!

Julie disse...

Siempre tus mensajes me encantan Gisa. Felicidades amiga.

ANTONIO CAMPILLO disse...

Unos versos abiertos a la imaginación de cada lector y sus especiales circunstancias.
La limpieza destruye la pátina negra que nos envuelve a pesar nuestro.

Un fuerte abrazo, Gisa.

Dja disse...

oie querida

a limpeza sempre se faz necessária, pra que nos tornemos livre novamente e seguir.

beijos meu carinho.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Gisalindamiga

Poema - lindíssimérrimo! Livrar-se da ansiedade (e do resto) pelo ralo da banheira é, no mínimo, genial.

Foto - Já não era sem tempo. Andava muitíssimo preocupadíssimo por não me ver entre as pessoas importantes. Levou tempo - mas chegou. Ainda não mostrei à Raquel; uma coisa de cada vez...

Hahahahahahaha!!!!!!!!!

Abç ao maridão (qual é o nome dele? & qjs às mininas lindas, um muito especial para tu