sábado, 5 de novembro de 2011

SOL

Estava quieta no meu canto.
Chorava minhas angústias e enganos.
Disse que me ia para sempre.
Saí em busca do sol,
Aquele que eu havia abandonado há algum tempo.
Andei por várias trilhas,
Apontaram-me várias direções.
Tropecei, cai e fui em frente,
Não podia estar tão distante assim.
Foi com muita dificuldade que acertei o caminho
Já podia sentir-lhe o calor, mas e o brilho?
Onde havia se ocultado o brilho?
Cheguei mais perto, mais perto e mais perto.
O ar extremamente quente denunciava o final da busca,
Mas a luz, onde estava a luz?
Parei confusa e cansada.
Extenuada, senti o fogo envolver-me com fúria.
Meu corpo, meus olhos, meus cabelos ardiam
Sem que eu pudesse entender de que forma.
Em êxtase, virei-me e pude ver-te
Claro, iluminado, brilhante na minha frente,
Com os braços abertos repletos de sol.
Entreguei-me a ti sem lutas.
Afinal, alguém que havia guardado
Tão poderoso astro
Só para, quando eu o procurasse novamente, me entregar
Merecia tudo o que eu possuía,
Tudo.

14 comentários:

Paulo Francisco disse...

O sol fortalece.
Um sãbado bacana pra ti

Richard Moisan disse...

Voilà une jolie page d'amour, Gisa.
Comme dans les rêves.
Bon week-end!

Marília Felix disse...

Gisa, minha amiga!

Que saudades das suas letras, dos seus escritos.
Poesia feita com coração e alma!
Um Sol que ilumina os meus olhos.

Um beijo*

Nuvembranca disse...

Lindo poema, parabéns, seja feliz!

Suzana Martins disse...

Uma delícia de poema ensaiando vontades...

Beijos e bom final de semana

Álvaro Lins disse...

Possuir quer dizer cedência:)!
Belo poema.
Bjo

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Gisa, que lindo! O calor prenunciou um surpreendente brilho.
Beijo no coração.
Manoel.

Fê-blue bird disse...

Gisa, que o Sol nunca te abandone!
Um belo momento de inspiração.

beijinhos

Rogério Pereira disse...

(Diz o Sol
de si para si
Nunca ninguém, nem a Lua,
me falou assim)

Enquanto isto pensava
piscou o olho à nuvem que passava

Hugo Nofx disse...

Preciso de voltar ao meu lado Solar.
beijinhos.

ANTONIO CAMPILLO disse...

Gisa, sigo apreciando una entrega demasiado pasiva ante quien aparentemente es más poderoso.
A veces es irremediable pero nunca, nunca, debe ser adocenante. Es un tema para pensar y hablar.
El poema con tu peculiar y espléndido estilo suelto y sencillo. Siempre leído en original.

Un fuerte abrazo, Gisa.

Sonhadora disse...

Minha querida

Quando o sol nos toca...o corpo e a alma ilumina-se e abandona-se ao sonho.
adorei como sempre.
Deixo um beijinho com carinho, desejando um bom Domingo.

Sonhadora

Palavras disse...

Oi Gisa,

Uma vez tocados pela grande luz, tudo se doura...

Bjs e boa semana!

OceanoAzul.Sonhos disse...

O sol´conforta a alma, tal como as palavras.
Gosto muito de te ler.
beijinho Gisa
oa.s