terça-feira, 6 de dezembro de 2011

ESFORÇO

Entrou resolvida no mar.
Enfrentou vitoriosa as agressões das ondas
Deixando-as para trás.
Nadou muitos dias e noites.
Brigou com correntezas e estranhos seres.
Não sucumbiu às ilusões causadas pela ciumenta lua.
Seguiria seu percurso até encontrá-lo.
Na outra margem,
O dono do sol nascente a esperava
Espreguiçando seus raios de ouro e diamantes
Por todo o horizonte.
Sentado na pedra mais alta mirava o vazio
Ainda em dúvida se ela viria ou não.
Afinal, poderia ele receber tanto empenho e dedicação?
Decidiu negativamente e retirou-se.
Ela haveria de encontrar alguém,
Que a merecesse,
Haveria...

11 comentários:

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Gisa, minha querida. Esses desencontros sacrificados podem denotar um grande desperdício de vida, não é?
Beijo carinhoso.
Manoel.

Dilmar Gomes disse...

Querida, tu continuas criando poemas perfeitos!
Um abração. Tenhas uma linda tarde.

ANTONIO CAMPILLO disse...

Querida amiga Gisa, este poema no merece decir de él ni una palabra. Es tan bello que sólo te digo a ti: Gisa, has escrito un poema de una imaginación y sensibilidad extraordinaria, de una perfección difícil de conseguir y con un ritmo que se transforma en melodía conforme lo vas leyendo, siempre en idioma original, claro.

Un fuerte abrazo, Gisa.

Rogério Pereira disse...

DESENCONTRO

Entrou resoluto no mar.
Não se comoveu com as caricias das ondas
Deixando-as para trás.
Nadou sem contar o tempo
nem parar um só momento
Venceu correntes severas, feias
Não ligou ao canto das sereias
Não sucumbiu ao ataque violento
de um sol ciumento.
Seguiria seu rumo até encontrá-la.
Na outra margem,
a dona da lua
esperava-o brilhante minguante e nua
Espreguiçando seus raios de prata
por toda a praia.
Esperou, mas apenas lhe acudiu
um enorme e amplo vazio
Continuaria nessa espera
Estava certo que ela voltaria,
um dia...

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Gisalindamiga

Agora não é contigo. Trata-se de uma séria advertência ao Rogériamigo: deturpar um poema é pecado mortal, sujeito a pena capital, tanto a bem como tanto a mal, já chegaremos ao Natal, e se calhar ao Carnaval, é Portugal, ninguém leva a mal.

Eu não plagiei quem quer que fosse, juro pela minha virgindade (1941/09/20, não esquecer a prenda).

Apesar do pesar, abç, seu desertor.

Rebobinando: mais uma linda poesia, minha adorada Gisalindamiga.

Abç & qjs hoje todinhos para tu

Julie disse...

Pura música en armonía... Me encanta.

iglesiasoviedo disse...

Leerte es sencillamente disfrutar, es gozar del placer de sentir sensaciones que parecían olvidadas y que renacen con mas fuerza, desde el fondo mas oculto, donde guardamos lo que mas queremos y deseamos.
Un querido beso.

Rogério Pereira disse...

Gisa
deixe eu falar
neste seu lugar
ao meu caro Antunes Ferreira:

que venha de lá a pena capital
de tão triste estar
por tal desencontrar
aceito qualquer destino

Carla Ceres disse...

Custava esperar mais um pouquinho? Ah, esses homens! Precisam ter aulas de espera e esperança com a gente. :) Beijos, Gisa!

Maggie May disse...

todos temos o destino traçado÷

escritoaquente disse...

Regressamos sempre ao mar...
:-)
Beijos.