domingo, 4 de setembro de 2011

RECOMEÇOS

Ao som da harpa e do violoncelo ela o aguardava.
Cabelos voando sobre seu claro rosto,
Em decorrência dos fortes ventos da noite,
Impediam-lhe a visão do horizonte.
Esperava no barco que os levaria dali para sempre.
Em êxtase ouviu o tropel do branco cavalo.
A simples aproximação dele levava-a levitar.
Tinha que respirar fundo para que não se permitisse partir sozinha.
Com o rubro sorriso o recebeu finalmente
Quando a sua frente ele se colocou.
De mãos unidas sentiram-se firmes.
Já podiam ir.
A nova vida já os chamava.
Aos beijos deitaram-se no fundo da embarcação.
A negra figura sem rosto,
No comando da viagem,
Deu o primeiro impulso rumo ao fim adequado.
Foram-se tranquilos aos novos campos de vida
Enfrentando o final com a dignidade dos que entendem
O encerramento de um espetáculo
Como o início do próximo.

14 comentários:

Paulo Francisco disse...

Mais um texto excelente para os aquivos deste blog. Cada vez melhor. Cada vez é mais gratificante ler um texto seu.
Um beijo grande

Richard Moisan disse...

La vie est un éternel recommencement. Tu ne manques jamais d'inspiration, Gisa.
Bravo! et bonne fin de dimanche.

ANTONIO CAMPILLO disse...

Partir y volver a empezar. Es el inexorable destino de quien debe revivir una vez tras otra para determinar su destino.

Bello poema.

Un saludo, Gisa.

Dja disse...

hummmmm, Que delicia Lindona, sabe o que eu gosto em vc, seus textos me fazem sentir como se fosse eu lá.

beijinhos querida, ótimo finzinho de domingo e ótima semana.

Lena disse...

Gisa
O reinício de qq coisa, ação, relacionamento tem uma proposta de melhoria implícita e vc o disse de uma forma belíssima, poetizando e encantando! Bjkas com carinho, menina linda!

Rogério Pereira disse...

Ao som da harpa e do violoncelo
se juntou, soando baixinho,
o violino
Depois o oboé, e piano, piano:
o clarinete
As trompas inromperam com som estridente
para a introdução do rufar
prolongado dos bombos

Nada aconteceu

Repete-se tudo como o dito
desde o inicio

Nada aconteceu

E outra vez, até ao dito rufar

Nada aconteceu. Só uma voz (em off) a anunciar:
O previsto personagem secundário ausentou-se
Dias mais tarde irá voltar

Ricardo Calmon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Calmon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rabiscando Poesias disse...

Cois alinda ...Minha linda poetisa , beijos na alma e uma semana cheia de palavras e encantos

andrebdois disse...

Muuito obrigado amiga Gisa...
Sempre fico muito feliz quando entro no seu blog.
Parabéns!! :D

Miriam de Sales Oliveira disse...

O encerramento de um espetáculo,o início de outro... Gran Finale,querida.
E é essa certeza do início q/ nos mantêm vivos... bjs

Carla Ceres disse...

Ah, bom, Gisa, um final feliz! Novos começos valem a pena. Beijos!

Ricardo Calmon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Calmon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.