quinta-feira, 16 de agosto de 2012

CONFORTO

No movimento das ruas
Buscava incessantemente.
Ora encontrava os olhos,
A boca, o andar.
Ora visualizava os cabelos,
O sorriso, o porte.
Nunca conjugados em uma mesma visão,
Mas, naquele momento,
Já lhe era suficiente.
Voltou para casa com a confortável certeza de que,
Apesar da abrupta partida,
Não o teria perdido para sempre.

12 comentários:

folha seca disse...

Gisa
Uma partida pode ter sempre retorno. É só necessário manter a porta aberta.
Beijo
Rodrigo

Nilson Barcelli disse...

Ser feliz com o que se tem, mesmo sendo pouco, é uma boa maneira de sentir o conforto que a alma precisa...
Magnífico poema, gostei muito.
Beijo, querida amiga.

JP disse...

Olá Gisa,
Belo poema, como sempre. As partidas são dificeis, por vezes, mas fica sempre a porta ou janela aberta......


Beijo

Cris Campos disse...

Quem sabe um dia tudo fique juntinho numa mesma visão... Gr. Bj. doce Gisa!

Rogério Pereira disse...

Depois de lido
Retiro uma moral
que contigo partilho
Neste Mundo,
nada é definitivo

Marco Rocca disse...

Deveras reflexivo. Mas talvez a melhor coisa a ser feita...

Flor de Jasmim disse...

uma partida pode não ser definitiva, pode até se fundir numa linda visão.

Beijinho e uma flor

Dilmar Gomes disse...

Amiga Gisa, as marcas das partidas ficam por muito tempo dentro da gente.
Um abraço. Tenhas uma linda noite.

Luciano Craveiro disse...

Este post é lindíssimo! A pessoa que partiu tem traços fisionómicos que podem ser REPARTIDAMENTE encontrados numa multidão. Genial. Como é que nunca pensei nisso antes???? :))
Beijinhos

Ana Andreolli disse...

só a morte separa de verdade, na vida a gente se reencontra, nisso eu acredito.

ANTONIO CAMPILLO disse...

Siempre que un ser amado parte es buscado constantemente entre el ir y venir de las gentes anónimas que nos cruzamos por la calle.
Nos parece ver su cabello, su peculiar forma de andar, su altura... hasta la ropa que llevaba cuando partió.
Posiblemente hoy no le encuentre, se suele decir..., para lo mismo decir mañana.
Si alguna vez se reencontrara sería un momento de felicidad plena y, como jamás se dejará de escrutar a las gentes que caminan apresuradas, jamás se olvidará la búsqueda.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

OceanoAzul.Sonhos disse...

... fica sempre a esperança e o querer, movem montanhas!

Beijos amiga
cvb