sexta-feira, 3 de agosto de 2012

SOMBRINHA (reedição)


Traço uma linha reta a partir da minha janela.
Pego a sombrinha colorida e experimento com o pé.
Firme.
Equilibro-me e entrego-me ao vento.
O percurso é longo, mas a sensação de segurança que dá a sombrinha... é sem igual!
Até que demorou bastante tempo antes do meu corpo encontrar o chão de concreto da avenida...
Ah! E ainda levei, como lembrança,
Uma linda paisagem em movimento.

7 comentários:

ANTONIO CAMPILLO disse...

La inflorescencia en umbrella es tan original entre las flores que su forma ha sido inspiración para confeccionar un protector similar a ella.
A pesar de ello, es más bonito el paisaje de flores que rodean los paraguas en umbrella que cualquier día de lluvia en el que sus semejantes nacen momentáneamente en la ciudad.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

Verso Aberto disse...

belo belo
como borboleta quando pousa
e faz tudo virar flor

abs

Álvaro Lins disse...

Belíssimo... e uma mulher sortuda:)!
Bjo

Marisete Zanon disse...

Que legal! Dei risada, mas é lindo!
Uma semana abençoada pra ti!
beijo!

Fernando Santos (Chana) disse...

Muito belo...Espectacular....
Cumprimentos

OceanoAzul.Sonhos disse...

Permitamos que a nossa sombrinha nos faça voar na brisa dos sonhos... esses não permitem que se caia no chão, são apenas sonhos e nada mais.

beijos
cvb

Fanzine Episódio Cultural disse...

SER CRIANÇA

Quero voltar a ser criança
Correr pelos campos
Sujar-me com a pureza da terra;
Banhar-me nas águas da cachoeira
Conectar-me com a linguagem do mundo
Traduzindo-o em brincadeiras.

Quero dialogar com a minha infância
Descobrir-me em sua rebeldia oculta
O cúmplice de uma revolta sem feridas

E titubear sílabas de ordem.

Quero voltar a ser criança
Para reconhecer em cada rosto
Um gesto de bondade.
Caminhar pelas margens de um rio
E medir seu mistério;
Deixar que a chuva molhe minha alma
Enquanto meu corpo sacia-se em liberdade...


* Agamenon Troyan