sábado, 18 de agosto de 2012

PREVENIDA

Gosto de mimos.
Quando os recebo
Uso um pouco
E guardo o restante.
Nunca se sabe
Quando irá
Se precisar...

11 comentários:

Rogério Pereira disse...

MIMOS JUST IN TIME

É proibido
Stockar
e dá azar
Estragam-se, ficando ao ar
Quando precisar
é só chamar

Mimos?
Para quem a adora
São garantidos fresquinhos
Dados na hora

Paulo Francisco disse...

E quem não gosta?
um beijo

JP disse...

Também eu, Gisa, também eu gosto muito de mimos! Ao contrário de ti....devoro-os!

Beijo

ANTONIO CAMPILLO disse...

Lo más importante es disfrutar de los mimos. Usarlos con comedimiento es un honor para quien los da y un recato que pretende alargar esos momentos tan personales para quien los recibe.
Y, sí, nunca se puede predecir hasta cuándo la delicadeza de un mimo será agradable o tendrá que dejarse, a pesar de la felicidad que puede proporciona.
Tus versos, Gisa, son tan suaves como una tela de seda recién tejida.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

FRANK RUFFINO disse...

Excelente texto poetisa Gisa.

Abrazos fraternos en Amistad y Poesía verdaderas,

Frank Ruffino

Andradarte disse...

Não precisa poupar, pois certamente não lhe irão faltar........
Beijo

Flor de Jasmim disse...

Gisa
Eu não gosto só, eu amo mimos, mas não os guardo a não ser no coração, como recordação.
Bom fim de semana minha querida

Beijinho e uma flor

Caroline Godtbil disse...

Sempre se precisa de mimo... a alma agradece em festa!
Beijo.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

E como consegue poupar os mimos Gisa?
Beijinhos

ricardo alves disse...

o legal é ter mimos toda hora não é?
tanto a mulher quanto ao homem!

CHIICO MIGUEL disse...

Também gosto de mimos,
coisa geminiana,
uso também rapidinho,
depois com vergonha,
sumo
e ele me soma.
amém.
abração do amigo
chico miguel de moura