domingo, 12 de agosto de 2012

PARTE UM

Em meio as chamas surgiu.
Vinha de negro, sorrindo.
Seus olhos faiscavam
As últimas labaredas
Da primeira parte do sonho
Que prometia continuação.

9 comentários:

Caroline Godtbil disse...

Sonhos recorrentes... ou pior(melhor?), sequenciais... serão sonhos?
Beijo.

OZNA-OZNA disse...

mil gracias querida y admirada poetisa por concedernos el privilegio de ser participes de la belleza de tus versos. Besinos

Luís Coelho disse...

Uma imagem que se solta das labaredas
Neste verão com tantos incêndios por aqui chocou-me a ligação.

folha seca disse...

Gisa
Sempre usa as palavras certas para os acontecimentos certos. Sempre uma cena que incentiva a nossa imaginação.
Um beijo
Rodrigo

Rogério Pereira disse...

PARTE DOIS

Rasga o negro
E o vermelho do corpo
se insinua
Num gesto extremo
despe-a
Nua
leva-a o Demo
através do pesadelo

ANTONIO CAMPILLO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ANTONIO CAMPILLO disse...

Si le expresado es el inicio de un ligero combate de inicio para poder dormir, es imprescindible.
Sin embargo, las secuelas deben despertar al poco tiempo a los contendientes para un combate más serio, que no acabe hasta que el alba se desperece y toque con sus largos dedos de oro sobre los agotados cuerpos.
Quien sueña, piensa y realiza lo expuesto, es feliz.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Que sonho esse, será mesmo sonho ou pesadelo.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

CHIICO MIGUEL disse...

Gisa, amiga querida:
"QUERO QUE VOCE SEJA, PARA MIM, UMA ESTRELA E NÃO UM COMETA QUE PASSA E DE DEIXA APENAS SAUDADE" (Rose de Arruda, Cuiabá, 17-5-2001). Faço minha esta frase de Rose, recebida agora.
abraços e beijos
francisco miguel de moura