sábado, 6 de julho de 2013

DESENHO

Na minha rua de papel
Deixo pegadas coloridas
De lápis de cera.
Desenho percursos
Ora lineares,
Ora sinuosos
Que levam a todos os lugares,
Sem chegar a nenhum.
Flores de hidrocor
Brotam nas bordas do passeio.
Sóis e estrelas compartilham,
Com a lua em festa,
os pasteis do céu irreal.
Pássaros de origami,
Meticulosamente colados
Aqui e ali,
Entoam seus cantos
Para que as luzes do imaginário
Façam seu bailado descuidado.
É,
Tudo é belo
Enquanto o aguaceiro não cai
Manchando os contornos.
Aproveitemos enquanto é tempo.

6 comentários:

Ricardo/águia_livre disse...

Muito bonito Gisa

Feliz entrelaçar de versos que dão origem a um poema cheio de mensagem, delírios do pensamento e... ternura

Gostei muito de ler

Um Sábado feliz
*********************
Querendo visite(m)

http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

Mafalda Sofia Antunes disse...

Quando vi o titulo da tua postagem pensei que fosses mostrar um desenho ou uma fotografia que tivesses feito ou tirado. Mas fui avançando e percebi que era mais um maravilhoso poema!! Gostei mais uma vez de ler o que escreveste!! Beijinhos e bom fim-de-semana!! http://mafaldinhaarte.blogspot.pt

Prof. Ms. João Paulo de Oliveira disse...

Cara confrade Gisa!
Gratíssimo por nos brindar com este sensibilíssimo poema que nos permite encantadores vieses!
Caloroso abraço! Saudações poéticas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP

ANTONIO CAMPILLO disse...

El inconveniente de los pájaros de origami es que son de papel. Pueden hacerlo todo menos poseer vida. Aprovechar la vida, por más que se exprese, puede ser todo menos real cuando se quiere. Tu poema es de belleza y fantasía. Esto es lo peor que puede suceder en este mínimo planeta que existe la fantasía que no se cumple.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

Rogério Pereira disse...

Não sei se a ilusão
é minha ou é tua
mas identifico no desenho
pintada, a minha rua

Jéssica Monalisa disse...

Lembrou a minha infância. Até hoje gosto de desenhar.