sábado, 24 de agosto de 2013

ROUPA DE DOMINGO: AC


AS VOLTAS DO PÃO, COM AMOR

Envolvo-me com a farinha, a água, o fermento e o sal. O acto de amassar é cerimonioso, muito longe da aparente simplicidade, herdeiro que é de memórias profundas, plenas de significado: o esforço da sementeira, da ceifa, da moenda, etapas de um ciclo transportador de todas as esperanças, com risos, temores e cautelas.  

O acto de amassar não dispensa o fato das memórias. A pouco e pouco a massa rende-se à cadência cerimonial dos gestos, abrindo portas ao cimentar da dedicação e da perseverança. Cada gesto transporta a herança de mil gestos anteriores, ancestralidade feita sabedoria nas voltas do tempo.

Levedar é dar lugar à manifestação de alegria das carícias. E a massa, crente nas intenções, deixa-se moldar antes de entrar no forno, decisiva viagem sem retorno.

O amor, o sempiterno amor, carece das voltas do pão. Precisa ser feito, constantemente refeito, por vezes reinventado, mas sempre com delicada cerimónia.

O amor e o pão, feitos com entrega, serão sempre eterna bênção.




PARA-RAIOS DE DESASSOSSEGOS


A seara ondulava, obedecendo aos caprichos do vento, salpicada aqui e ali com o vermelho das papoilas. A colheita prometia fartura, e já se adivinhava o chiar do velho moinho de água, entretanto recuperado, a debitar a farinha de todos os contentamentos.



A quinta, desde que chegaram, parecia outra. As paredes da velha casa, devidamente reparadas, sustentavam agora um sólido telhado. Não era a casa de ninguém, que o conceito de propriedade estava bem definido, era a casa de todos. Ali reuniam, ali funcionava a escola, ali estavam todos os livros que trouxeram. De dinheiro não se via rasto, todos sabiam que não era nessa base que deviam construir o seu futuro. Nas reuniões procuravam esbater as diferenças, e às vezes a discussão era acalorada. Mas acabavam sempre por se entender, pois todos respiravam o sentido de partilha. O dia a dia ensinara-os, mais que a teoria, que tudo era relativo, estavam mais interessados em encontrar pontos de encontro, por mais ínfimos, que em provocar tempestades. Conviviam bem com as diferenças.


Em volta novas edificações foram surgindo. Pedra não faltava por ali, e alguns descobriram, pela primeira vez, um particular deleite na construção das paredes de xisto. Talvez fosse a ideia arreigada de estarem a começar algo, talvez fosse a ideia do cultivar do espírito de partilha. Ou ambas em simultâneo. O certo é que, a pouco e pouco, os redutos foram surgindo. Para fazer o pão, para dormir, para guardar alfaias e colheitas.

Tiago e Diana eram diferentes, a inquietação vivia neles como quem respirava. Ela acabara por partir, não resistindo às sugestões do para lá do sol-posto, mas ele ficara. Não fazia nada de especial. Ajudava a semear, mas não mondava, não moía. E falava pouco. Quando o fazia falava de angústias, de equilíbrios, de dores de alma. Estando sempre presente, o seu olhar perdia-se algures. Mas encontrava-se no voo dos pássaros. Era capaz de subir e descer montes só para acompanhar o voo de um melro, prender-se naqueles movimentos que o fascinavam. Também o contacto com as crianças o tornava mais atento, mais doce, os olhos chegavam mesmo a sorrir. Todos respeitavam aquela figura inquieta, desassossegada, sabiam que era a fronteira da sua parca segurança. Não fazendo, fazia muito, era o seu cata-vento. A sua presença lembrava-os dos limites daquele ermo, que a cadência das coisas vai muito para lá de nós. E aquele sentir, quase de forma inconsciente, irmanava-os na vontade de fazer algo por eles próprios.  


Hoje, muito honrada estou com a presença deste
Querido amigo por aqui!
O AC foi um dos primeiros contatos que tive
Neste mundo da blogosfera,
Uma pessoa a quem realmente admiro
E gosto demais!
Seu cuidado blog
A todos conquista 
Vale muito conferir.

Obrigada AC por este privilégio de te ter
Por aqui!
E em dose dupla!
Como podes ver sou muito indecisa...



Um bj da
Gisa

8 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Fico-me apenas neste amassar do pão.
Encantadora cerimónia que guardo no meu coração.
Todas as semanas bem cedo começava aquele cerimonial. Benzia-se, rezava... Depois de acender a fogueira para aquecer água, lavava as mãos e vestia um avental branco.
Depois de passar toda a farinha pela peneira, juntava-lhe o fermento e o sal e depois ia juntando água morna em cada volta que dava à amassadura.
Como era belo o seu silêncio
Como era doce o seu olhar
Como era esperançoso aquele transformar do pão ainda por nascer...
Bom Domingo.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Digo
-Todas as semanas a Mãe...bem cedo...

AC disse...

Gisa, és "danadinha". Enviei-te dois textos para escolheres um, e acabas por publicar os dois. Assim ninguém vai ter paciência para os ler. rs rs
Sabes, sinto-me muito honrado pelo teu acolhimento. Muito mesmo. Obrigado.

Beijo :)

AC disse...

Luís,
Ainda bem que o texto sobre o pão lhe trouxe gratas recordações.

Abraço

Ignacio Santana disse...

Muchas gracias por tu visita...es un placer leerte!!!

Un abrazo, amiga!!! ;)

*Escritora de Artes* disse...

Olá querida Gisa,

Adorei a frase:

O amor e o pao feitos com entrega, serao sempre eterna bençao...

Bjos

Maria Fe disse...

adorei seu trato com as palavras.
é isso mesmo, ler, escrever, viver.
abraço

Silenciosamente ouvindo... disse...

Pois eu gostei muito dos dois textos. Nunca amassei pão, mas
vi a minha mãe amassar e concordo
com o texto.
Bj.
Irene Alves