segunda-feira, 11 de abril de 2011

ERA UMA VEZ...

Era uma vez, em um país distante,
Das terras de muito ouro e pedras preciosas,
Um rei que abria as portas do seu castelo e
A todos recebia em sua mesa
Sempre com muita festa.
Bebericavam, conversavam
Contavam-se histórias e anedotas
Desfrutavam bons momentos de convívio
Certo dia, surgiu em sua porta uma mulher
E como os demais, foi gentilmente convidada
A entrar e desfrutar das agradáveis companhias
Voltava frequentemente ao ambiente
Sempre que novas conversas se impunham
Até que em uma de suas visitas,
Foi convidada a conversar pessoalmente com o rei
Em seu reservado espaço.
De assuntos variados e conversas fluídas começou a tecer a teia
O rei, perspicaz, percebia e divertia-se,
Certo do seu mais absoluto controle,
Onde ela quereria chegar? - perguntava-se
E a ocasião se fez, após pouco tempo de trocas de ideias privadas,
enquanto o rei distraído ainda duvidava de tudo,
Deu-se início à hipnose
A mulher, até então tão dissimulada,
Sorriu-lhe como quem sabia o que iria fazer
Dançou perante seus olhos incrédulos e fez seus lábios se calarem
Despiu-se de suas roupas, pouco a pouco,
Assim como de sua pele de lagarto
Fez-se em labareda de vermelho flamejante
E consumiu-o bem devagar...
A última vez que lhe olhou no rosto
O rei sorria-lhe ainda abismado com seu engano
Mas queimava vigorosamente
Sucumbindo de prazer no fogo da Teiniaguá.

22 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

Muito bom esse texto, prende o leitor até o final, parabéns.Beijos.

Maria selma disse...

Gisa vi que você visitou meu bog e está a seguir,ofereço selinho de seguidora do blog....beijo...

OceanoAzul.Sonhos disse...

Gisa, bom demais, li sem pestanejar.
Suberbo.
beijos amiga.
oa.s

Toni D'Agostinho disse...

Ótimo texto, Gisa!
Bj.

Zé Carlos disse...

Garota querida

Ainda bem que a Teiniagua ícone da cultura gaúcha, é uma Princesa Moura, transformada em lagartixa pelo Diabo Vermelho dos índios, Anhangá-Pitã.

Graças que ela está guardada por vocês gaúchas queridas e não permitem que ela venha para SP tentar os reis daqui..... Você é maravilhosa menina ... Um beijo enorme do seu amigo ZC

Rogério Pereira disse...

Não conheço tal país distante,
Nem terras de muito ouro e pedras preciosas,
Não conheço castelos de escancaradas portas
Nem reis partilhando sua mesa
que saibam histórias e anedotas
que entre um copo e outro copo
possam disfrutar tais momentos
esquecendo da governança e seus tormentos

Mas tal ignorãncia minha
não me impede de acreditar
Que tal rei
Em tal lugar
Tenha sucumbindo de prazer no fogo da Teiniaguá
E que tudo se terá passado
Tal qual me foi aqui contado

(Bonita a lenda, parece prenda)

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Gisa, minha querida. Fiquei tão entretido que quase me queimei junto com o rei. Muito legal. A amiga é genial com a imaginação e as palavras.
Beijokas carinhosas.
Manoel.

jeanfi disse...

Une belle histoire Gisa...
parfois l'on se brûle les ailes aux jeux de l'amour... ben vi !
bonne journée

Louro Neves disse...

Acabei de voltar do Google. Tal qual o rei de além-terras, caí também nas chamas envolventes de Teiniaguá. Ele, pela curiosidade; eu, curiosidade e ignorância.

Abraços!

Guará Matos disse...

Mas deixa queimar. Quem nunca pegou fogo passou pelo mundo sem prazer.

Bj.
________
Dizer que estou com saudades é chover no molhado.

Lufe disse...

Esse Rei cético não conhecia os encantos de Teiniaguá que, ao se transformar em princesa, dançando em fogo ao seu redor o conduziu ao êxtase, fazendo-o perceber que as lendas, que acreditava crendices, se tornassem uma historia bem real, bem digna da realeza. Feliz esse Rei que, após vê-la saindo da guampa, pé ante pé, desnuda da pele de lagartixa, pode desfrutar de seus encantos se entregando ao ritmo da dança e ao calor do fogo rubro.

bjoca procê

Luiz Neves de Castro disse...

Gostei sobremaneira do miniconto da Teiniaguá, e também da sua cidade, apreciada em fotos no site: http://www.riograndeemfotos.com.br/aereas.html

Beijo e abraço afetuoso

Julieta disse...

Oi flor
Gostei do texto...
Passei para desejar uma maravilhosa semana.
Beijoss

Amapola disse...

Bom dia, querida amiga Gisa.

Que bela história!! Viajei nela.
Os índios, e suas magias...

Um grande abraço.
Muita paz e amor.

megi disse...

Querida Gisa,
desculpa que eu so estou escrevendo agora. Eu li seus poemas todos os dias. Eles sao uma pessoa bonita, que escreve belos poemas.
cordialimente
Megi

Carla Ceres disse...

Que estranho, Gisa, só agora reparei que você está a dois estados de distância de mim. Visito tanto seu blog, que você me parece próxima. Se não fosse pela aparição da Teiniaguá, que conheci através do Veríssimo pai, eu continuaria sentindo que você mora no reino imaterial da poesia. Talvez more mesmo. Beijos!

iglesiasoviedo disse...

Este como los demás poemas me ha gustado mucho.
Todo lo que escribes me gusta igual que tu.
Un beso.

Letícia Nunes disse...

Gisa...hipnotzados reis e belas rainhas...perspicácia feminina!!

Beijinhos

Sandra disse...

Um conto de encantar, literalmente.
Quase me queimei também.
Beijinho

Erico disse...

Gisa,

Fico extasiado com seus textos!!
Agora, me perdoa a ignorância, mas tenho que estudar um pouco sobre essa lenda (fui instigado pelos seus comentaristas)...

Beijos :)

C. disse...

Mitologia indígena é também muito bonita e inspira! (sou do sul também...)

Beijo !

AC disse...

Nunca é tarde para percebermos que as certezas são muito relativas...
Pelos vistos, Teiniaguá é encantamento puro. :)

Beijo :)