sexta-feira, 22 de abril de 2011

NOVA MORADA

Diante da fogueira ergueu-se.
Ereta, impassível.
Deixou-se ficar
Iluminada pelas chamas
Em contemplação e espera.
A luz rubra desfazia suas amarras,
Libertava seu corpo etéreo,
Queimava as muitas cascas que
Durante tanto tempo havia,
Meticulosamente,
Costurado e, até mesmo cerzido,
No afã de encobrir sua essência.
Uma sensação de prazer lhe percorria os poros
Que, somente agora, podiam respirar novamente
O calor do fogo agrandava-se.
Chegara o momento do passo.
Fechou os olhos e entrou correndo.
Bailou nas labaredas escarlates
Até que o portal se abrisse.
Esgueirou-se como lava
E sumiu.
Adentrou limpa
Na próxima dimensão
Que lhe caberia,
A partir daquele instante,
Habitar.

17 comentários:

Sonhadora disse...

Minha querida

Hoje passando para desejar uma Páscoa cheia de amor e muita paz.

Beijinho com carinho
Sonhadora

Lufe disse...

E como a borboleta, liberta-se do seu casulo e ganha voo, com as asas bem abertas, dançando com a brisa, livre, leve e solta.... Ela não sentia mais a necessidade de encobrir a sua essencia.

bjoca

jeanfi disse...

parfois les incendies sont nécessaire pour que naissent de nouveau la vie !
ton poème est un peu cela, une nouvelle naissance !
bisous mon amie Gisa.
Je pars à Paris, je penserai à toi. Bises

Catia Bosso disse...

Esgueirou-se e calou-se feito ben-te-vi em crise... Lindo poema, Querida! Bjs de chocolate pra vc!

Rogério Pereira disse...

Tocou-me aquele fogo
intenso
Tocou-me aquele corpo
Inteiro
Passando (ou voando?)
Para habitar outra dimensão
Perdi-lhe o toque,o rasto
na passagem para outra habitação

Miragem? Sonho?
Não
Não é um sonhar
caindo, como cai
esta cinza do céu
que em mim vem pousar

Vinicius.C disse...

Nossa é pra comentar?

Alguns textos exibem sua narrativa são inteiros dispensam comentários, acredito que esse é assim.

Um texto que eleva, que nos faz ver como em uma tela a dança, o toque que mesmo em lava fascina.

Eu adorei!!

Um beijo enorme e uma Páscoa de paz!

Te espero no Alma beijo!

Marinha disse...

E se fez outra sem deixar de ser a mesma!
Ahhh, tocou-me, Gisa!
Uma Páscoa de paz para ti, querida!
Bjo

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Gisa, genial a sua criatividade. É uma delícia ler seus escritos.

Uma santa e feliz páscoa prá você e todos os seus.
Beijocas com carinho e chocolate.
Manoel.

AC disse...

Gisa,
Há dimensões que só se alcançam depois de vencidos os medos. O que parece ser o caso.
Se gostei? Claro que sim! :)

Beijo :)

Julie disse...

Me encantó tu poema Gisa, muchos besiños.

Louro Neves disse...

Gisa, fico assombrado a cada vez que te leio; sua habilidade com a construção de frases, seu vocabulário rico; você é mesma genial.
Parabéns!

ARFERLANDIA disse...

Não é "Fogo que arde sem se ver"...
Nem "..Ferida que doi e não se sente.."
é um belo poema, feliz de que o ler
que decerto figa grato eternamente.

Um abraço amigo

ARFER

Richard disse...

Parfois, il est nécessaire de brûler afin de mieux revivre. Et Pâques est un renouveau. Nous devons y croire.
Joyeuses fêtes, Gisa!

SKIZO disse...

FabulosoBoasCriações:)

Maria Lúcia Marangon disse...

Vim desejar uma feliz Páscoa pra você e toda a sua família.
Beijos
Maria Lúcia

Cristiane disse...

Um renascimento pra vida! Lindo, Gisa!Bem em tempos de Páscoa... Bjks

A.S. disse...

Gisa,

Belo o teu poema!

Uma Páscoa Feliz... e bem docinha...:))

Beijos,
AL