domingo, 12 de junho de 2011

ERRO

Todo dia pegava o mesmo novelo e tecia o mesmo tricot.
À medida que ele crescia o novelo também se refazia para que, no dia seguinte, voltasse a ser tecido.
Já tinha perdido a noção de quantos anos aquela cena se repetia
Certa vez, enfadada da interminável tarefa, parou.
Jogou o tricot em uma cesta, junto com o novelo e os guardou no sótão.
Desceu e fechou a escada jogando a chave no poço ao lado da casa.
Feliz, seguiu a vida, longe da sina tão cansativa.
Toda noite ouvia barulhos vindos do sótão lacrado.
Pareciam coisas sendo arrastadas e quebradas.
Os ratos, pensava. Virava para o lado e seguia dormindo.
E foi durante seu sono que a casa ruiu em um grande estrondo.
Morreu soterrada pensando que sonhava, quando viu o novelo, imenso, quebrar o teto e invadir seu quarto, levando a casa ao chão.
Antes de tudo, concluiu em um lampejo de lucidez que tinha incorrido em apenas um erro:
Fugiu da sua sina, mas esqueceu-se de convencê-la a não segui-la mais...

7 comentários:

Cores da Vida... disse...

Não basta se livrar materialmente mas mentalmente, também. Interessante.

Beijos,

Rogério Pereira disse...

Não, não pode ser. Não é verdade o que acabei de ler. Como pode ter tal fim quem enfrenta o destino, de vida repetida, rotineira sem jeito nem maneira? Mas a verdade aí está. Com todas as letras a dar como lição que ninguém tem competência para enfrentar a escravidão. Apenas um pequeno erro e pumba, a morte. Não merecia tal sorte... Que faço eu? Já sei, vou denunciar o texto ao blogger, como conteúdo inconveniente. É que quem cala consente e eu não consentindo este desfecho, jamais me calarei. DE repente uma luz se me fez. Não fiz nada. Fiquei olhando-a deitada. E esperei que acordasse e esquecesse o pesadelo. Entretanto, por precauçao, deitei fogo ao tal novelo.

Hugo Nofx disse...

Muito curioso este ERRO.
beijo.

Vieira Calado disse...

Ficção extraterrestre!

Muito giro!

Bjsss

Eva BSanz disse...

Uma breve história interessante do que o fazem pensar. Eu gosto.

Meu beijo

Olga disse...

Lindo o que é este poema. Eu levo o chapéu de mim antes de você, parabenizá-lo com as palavras incrível que você usa.

OceanoAzul.Sonhos disse...

Interessantes os teus textos Gisa.
Um beijinho
oa.s