quarta-feira, 15 de junho de 2011

HIPERMODERNIDADE

Corpos etéreos viajam nas palavras,
Dando-se prazeres intraduzíveis ...
Enquanto isso,
Os rostos impassíveis das fotografias,
No canto das páginas,
Seguem congelados na mesma posição.
A hipermodernidade invade o amor...

7 comentários:

Dave disse...

Interessante Dona Gisa...

Me fez refletir...

Beijo!

iglesiasoviedo disse...

Las palabras que transportan ideas, sentimientos, pasiones, amores no correspondidos, todos los sentimientos que uno lee, interpreta y hace vivir. Las fotografías , frías, impasibles, esperando, no animadas.
Y el amor a merced de la modernidades, no de los sentimientos a espacios cortos, al contacto personal.
Un beso.

Janaina Cruz disse...

Mesmo dentro da invasão da modernidade minha querida amiga Gisa, que o amor possa ter ares de eternidade, sou fã de tua escrita perfeita!

Vinicius.C disse...

Essa modernidade incade a tudo e vc disse tudo até o amor.

Beijo que vc tenha uma ótima tarde!Espero por vc no Alma!

Arnoldo Pimentel disse...

Muito bom esse texto.Beijos

Rogério Pereira disse...

:)) Essa sinalética ai ao lado
é um meu sorriso, descongelado

Cores da Vida... disse...

Ainda bem...!! O amor pode estar em todos e em tudo...
Beijos,