terça-feira, 17 de abril de 2012

DESTINO

Cheia de maldade
E com incontáveis intenções,
Banhou-se na lava fervente.
Buscou os mais exóticos perfumes.
Caminhou até o leito suspenso nas brumas
E deitou-se borbulhante.
Esperou impaciente que ele chegasse.
Ao ouvir os leves passos
Perdidos em meio a névoa fez o catre baixar.
De um tropeço ele caiu sobre ela
Tendo sido, imediatamente, envolvido pelo corpo em fogo.
Sucumbiu aos gemidos de puro desespero,
Ansiando que aquele momento
Jamais findasse.

8 comentários:

Rogério Pereira disse...

Aposto que ainda dura
Apostou que dura ainda
Bem montada a armadilha
Esse momento não finda

Ouvem-se aqui os gemidos

Natália Campos disse...

Desejo.

Cris Campos disse...

Intenso isso! Desejei que a leitura na findasse. Lindo. Gr. Bj.Doce Gisa!

Fê-blue bird disse...

Amiga:

Um poema ardente e quente! ADOREI! :)

beijinhos

ANTONIO CAMPILLO disse...

Al ardor propio de unos momentos de placer añades la mínima violencia que empuja más al placer.
Sensual como "Presa".

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

iglesiasoviedo disse...

Momentos deseados, soñados, que muy difícilmente llegaran, los sueños intentan reemplazarlos, con éxito?
La imaginación es una de las grandes virtudes humanas.
Besos en tu corazón.

Quino disse...

Intensos ardores de pasión que de froma moi sensual nos levas nos teus marabillosos versos.

Beijos de Quino.

Hugo Nofx disse...

Anseio que destinos destes me calhem...
beijo.