segunda-feira, 16 de abril de 2012

PRESA

Quando eu te desejo é um desejo antropofágico
Quero comer-te aos bocados com sofreguidão.
Devorarei primeiro tua mente, teu sonho,
Para que não possas pensar em mais nada que não seja eu.
Depois, irei me deliciar com teu corpo, com calma e com vagar,
Sei que ele merece.
Aproveitarei cada arrepio, cada gota de suor, cada sabor
Com o toque lento e preciso da minha língua.
Mastigarei tudo com muito amor
E te deglutirei sem pressa até o final,
Pois deverás me manter satisfeita
Até que eu possa encontrar a minha próxima presa.

11 comentários:

Rogério Pereira disse...

Entrego-me
rendido
à volúpia
de ser
teu manjar
Mas...
te previno e aviso
começas mal
começar-me
pelo juízo

Rapariga,
Acho que tens
mais olhos
que barriga

:))

(perdoa, não resisti)

iglesiasoviedo disse...

La verdad es que das un poco de miedo, hasta los sueños?.
Besos.

Anne Lieri disse...

Gisa, o amor e odesejo tem mesmo essa fome insaciavel!Linda poesia!Bjs e boa semana!

Luís Coelho disse...

Os sonhos transportam-nos.
Os desejos devoram-nos
O amor torna-se algo insaciavel.
Um poema muito bom.

Cris Campos disse...

Ô caramba! Bem que eu queria ser assim! Mas... nessa história acho que sou a presa! Gr. Bj. Gisa! Amei!!!!

Víctor Manuel Guzmán Villena disse...

Tu poesía en la que el verso enfoca como una cámara lúcida los peculiares ángulos de la realidad de nuestro yo interno, en la que importa la selección de lo que se mira, pero aún mucho más la forma de leerlo. Felicitaciones. me encanta lo que escribes, hay talento y sensibilidad.

BRANCAMAR disse...

Muito divertido, institivo e voraz, como é muitas vezes o amor, mas atenção, nem todos gostam de ser presa, por muito tempo, sobretudo serem sufocados, não poderem pensar em mais nada para além do outro, :))

Sei que pensas o mesmo Gisa, mas estes momentos de sofreguidão são bem gostosos, :))

Beijos
Branca

ANTONIO CAMPILLO disse...

¡Madre mía, Gisa! Comer con delectación, saboreando, masticando cada rincón, cada pequeño y escondido lugar que se pueda saborear, con ganas de sorber, oler, gustar y tocar todo el cuerpo mientras oímos cómo se nos requiere más y más...
A pesar de estar "mal vista y peor comprendida", la licantropía es un placer de dioses.
Me gusta tu explosión de sensualidad, sin embargo, para mi la mente de la/del amante debe quedar muy lúcida porque debe sentir con toda la potencia aquello que se le proporciona.
Tremendamente sensual y lujurioso. Perfecto.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

Carla Ceres disse...

Não seria mais romântico morrer de indigestão para manter-se fiel à moral e aos bons costumes burgueses, Gisa? :) Beijos!

Smareis disse...

Fiquei aqui imaginando sobre a minha presa. Sorrio.
Beijos e ótima semana.

Hanaé Pais disse...

Devorar os sonhos dos outros e já estar a pensar na próxima presa é triste e lamentável.
Revela ser pouco sensivel e humana/o.