terça-feira, 19 de junho de 2012

AUTODOMÍNIO

Fez as malas e partiu.
Foi em busca daquilo que sempre soube ser,
Mas sempre foi forçada,
Por ela mesma,
A negar.

18 comentários:

Natália Campos disse...

Remoto controle, como dizia Calcanhotto!

Mª LUISA ARNAIZ disse...

Engañarse a sí misma es una necedad.
Besos.

Julie disse...

Todo es posible, el autodominio a veces nos deja desarmadas... Precioso Gisa.

Dilmar Gomes disse...

Amiga Gisa, eis a decisão mais difícil de tomarmos: irmos ao encontro de nós mesmos.
Um abraço. Tenhas um lindo dia , apesar do dia fechado; alás, está assim também na zona Sul?

poetaeusou . . . disse...

*
Gisa
,
gostei do titulo. e como,
lemos, escrevemos e vivemos,
não podemos ignorar . . .
,
Ela,
forçada ou não
com a mala de “cartão”
quis descobrir a quimera !
,
espraiadas conchinhas,
deixo,
*

Lu Nogfer disse...

Simples e profundo!
Gosto dessa intensidade das poucas e bem direcionadas palavras!

Beijos querida!
Boa semana!

ANTONIO CAMPILLO disse...

Rebelarse contra lo que se quiere imponer, sean cuales fuesen los motivos por los que se solicita una atención o viaje, es absolutamente necesario.
Jamás se debe ver obligado un ser u obligarse él mismo, a cumplir aquello que no quiere realizar.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

Rogério Pereira disse...

Não há alma nenhuma que não tenha seu contrário...
Você tem, não só a obrigação de saber, como a de gerir isso.

Flor de Jasmim disse...

Por vezes lutamos demais contra aquilo que se deseja.

Beijinho e uma flor

JP disse...

Desculpa, elimina o post anterior que não estava identificado e não me apercebi)

É assim:
a gente despede-se, vai-se
embora amaldiçoando a terra,
carrega amargura
que nem o diabo aguenta!

Beijinho

Lamarque disse...

que delicia gisa de texto. gostoso. da vontade de toca-lo. obrigado.. vou embora.... xau lamarque

Sonhadora disse...

Minha querida

Por vezes temos que nos perder para nos encontrar-mos e seguir em frente.
Lindo como sempre ler-te a alma.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Luís Coelho disse...

Saber auto-dominar-se, gerir-se, é uma tarefa de todos os dias e de todos os momentos.
Podemos fingir que não vimos, mas depois voltamos ao mesmo.

Richard Moisan disse...

Peut-on toujours être maître de soi? Depuis mon blog d'aujourd'hui, j'en doute!... :-)
Gros bisou, Gisa!

Clara disse...

Qué hermoso lugar, tus letras me encantan Gisa así como tu idioma.
Yo soy italiana, aprendí el español pero mi sueño sería aprender un poco de tu idioma. Me quedo y te mando un beso,

Clara

Cristina Lira disse...

Olá querida Gisa!
Estou assim como nesse post...pegando as malas e partindo, agora sim, sem me negar.

Bjos...que Deus a abençoe!!!

Carla Ceres disse...

Tenho algo constrangedor a confessar, Gisa. A Elize Matsunaga me veio à cebeça durante a leitura e mudou totalmente o sentido do poema. É o sensacionalismo estragando a arte. :) Beijos!

Catia Bosso disse...

E negou em tempo....


Bjsssss meusssss

Catita