quinta-feira, 5 de julho de 2012

VOLTA

Tudo bem,
Conseguiram me explodir.
Meus estilhaços
Estão em plena ascensão.
Tolos!
Daqui de cima,
A visão tornou-se mais completa,
Tendo em vista os múltiplos ângulos
Que cada pedacinho de mim passou a ter.
Planejarei muito bem a hora da queda,
Pois a lei da gravidade nunca falha.

9 comentários:

*Escritora de Artes* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
*Escritora de Artes* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
*Escritora de Artes* disse...

E com certeza essa volta será triunfante ...

Bjos

Leonardo B. disse...

[não é coisa rara,

a palavra tornar-se constelação; ao grito da poesia, urgência de poeta, tudo se transforma!...]

um imenso abraço, Gisa

Leonardo B.

Mz disse...

Enquanto isso, mantenha-se em órbita linda e maravilhosa!

Bjo*

ricardo alves disse...

que poética mais deslumbrante sobre a ascensão...
que realismo mais fantástico sobre as forças naturais...

ANTONIO CAMPILLO disse...

No es mala idea lo que propones.
Sería muy interesante saber por separado cómo ve un ojo por un lado y otro por el suyo, como huele cada una de las fosas nasales, como sabe cada una de las papilas gustativas...
Creo que es una inmensa fantasía que, como dices, poco a poco se volvería a unir debido a las fuerzas a las que nos sentimos sometidos.
Y, sería único que la unión no se realizase en igual sentido que se tenía antes de la explosión.
¡Vaya chasco!
Estupenda imaginación.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

JP disse...

Não fiques aí Gisa, mas não te deixes cair. E vai apreciando tudo......


Beijo

Carla Ceres disse...

E a vingança dos estilhaços não tarda. :) Beijos!