terça-feira, 31 de julho de 2012

CENA ÚNICA (reedição)

Uma sala, muita cumplicidade.
Fios cintilantes, que saiam dos olhos,
Criavam um liame mágico
Envolvendo-os como se fosse um casulo,
Esconderijo ideal,
Inexpugnável pelo mundo exterior
Que restava adormecido
Por acreditar na monotonia da tarde chuvosa.
Contemplação e mudez
Bocas atônitas, unidas e mãos ávidas, rápidas
Corpos sobrepostos, emoldurados pelo tapete felpudo
Sussurros, suspiros e gritos abafados
Sorrisos, muitos sorrisos
Autônomos,
Não necessariamente ligados aos lábios.
Reflexos do prazer que vertia de dentro dos umbigos
Escorria pelas pernas
Causando arrepios às borboletas que habitavam os estômagos
Saciedade e despedida.
Cena única, encantamento eterno
Vedado reedições.

9 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Amiga Gisa, tua poesia está inserida naquele boom chamado realismo fantástico ou realismo mágico, que ocorreu lá pelos anos 60/70 na América Latina com os escritores Gabriel Garcia Marques, Julio Cortazar, Jorge Luis Borges, Carlos Fuentes. Citei apenas alguns dos autores mais expressivos daquele movimento, o qual foi mais trabalhado em prosa. Acho que na poesia, o estilo foi menos explorado. Nós, teus leitores, somos contemplados com a excelência dos teus poemas dentro dessa escola. Um abração. Tenhas um lindo dia.

Rogério Pereira disse...

Vou pintar
Se tiver talento, tinta e traço
Para tanto

(teu poema é um espanto)

Natália Campos disse...

Gosto tanto de ler seus escritos. Gosto muito! Lindo!

Beijos.

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Gisa. Como eu gosto de ler os seus poemas, a sua linguagem tão particular.
Você me encanta, isso é um fato!
Dá o seu recado sem delongas e isso para mim, é excelente.
Profundidade em tudo sem citar nada!
Parabéns!
Beijos na alma e fique na paz!

Cris Campos disse...

Nas tardes chuvosas sempre acontecem as maiores explosões! Gr. Bj. doce amiga!

Flor de Jasmim disse...

Gisa minha querida
Teus poemas deixam-me encantada!

Beijinho e uma flor

ANTONIO CAMPILLO disse...

Bien, Gisa, si esta es la primera escena... ¿como va a ser la segunda?
Personalmente creo que plena de pasión. La limpieza de corazón que se crea al contemplar una tarde de lluvia monótona entre dos personas es un lazo imperecedero.
Como lo es el hilvanado de una mirada y el cosquilleo desde los ombligos por sentir iguales sensaciones físicas.

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

Palavras disse...

Oi Gisa,

de volta depois de alguns dias fora.
E eis que deparo com os seus poemas. Sorrindo para mim e de mim como se me conhecessem tanto quanto eu mesma.

Sempre lindos!

Beijos

Leila

OceanoAzul.Sonhos disse...

O prazer de ter ler, sempre Gisa.

beijos
cvb