quarta-feira, 21 de março de 2012

MINIATURA

Quando percebeu que estava condenada a seguir a trilha do óbvio,
Subiu no cadafalso.
Decapitou-se e enviou o estranho embrulho para a tribo dos encolhedores de cabeça.
Aguardou deitada os dias que se seguiram até o esperado toque da campainha.
Chegou!
Saiu correndo e abriu a porta.
Com ansiedade, desfez o pequeno pacote coberto de selos.
Lá estava ela, linda e diminuta, como deveria ser.
Envergou o novo crânio e saiu para o caminho que já a esperava.
À medida que andava sentia que o processo ia revertendo até atingir o tamanho original.
Inconformada,e sentindo-se profundamente lesada,
Procurou auxílio na lista telefônica.
Afinal, em tempos de proteção aos direitos dos consumidores,
Haveria de ter um número para as devidas reclamações.

12 comentários:

Rogério Pereira disse...

Não, não reclame
é moroso
não dá gozo
nem resultado
Tenho outra ideia
Até já tem o endereço
use-o, lhe peço
Não prometo é devolver
mas ficar
a aguardar
pela junção do resto

:))

iglesiasoviedo disse...

Deberian unificar y poner un solo número para el consumidor, un número que sirviera para todo tipo de reclamaciones, para la de productos de consumo, sentimientos, penas anhelos, ilusiones, engaños y amores.
Muchos besos querida.

Smareis disse...

Maravilhoso seu texto.
Gostei imenso.
Um grande abraço!
Ótima semana!

Mª LUISA ARNAIZ disse...

Terminar reclamando... ¡Qué frustración! Saludos.

ANTONIO CAMPILLO disse...

Cortar, terminar con todo lo establecido y volver a reanimarlo.
¡Cuántos sellos se necesitan para enviar tal paquete!

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

Rodrigo disse...

De todos que li, este é o mais sanguinolento, ou será que perdi algum outro?

Flor de Jasmim disse...

Gisa minha querida
lindo amei!
Sem direito a livro de reclamações.

Beijinho e uma flor

heretico disse...

as cabeças afinal são como os chapéus - há muitas!...

quem tal diria!

talvez a tua cabeça ande trocada.

beijo

Nascente disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dois Rios disse...

Muito bom, Gisa! Meio complexo, porém requintado.

Beijo,

Inês

OceanoAzul.Sonhos disse...

Nada é em vão.
Com o tempo, tudo será revertido. O original é sempre preferivel.

bjs
cvb

Carla Ceres disse...

Poema brilhante, Gisa! Me lembrou de um texto sobre uma cabeça de papelão, mais adequada à vida social. Mas o final do seu poema foi melhor. Beijos!