sexta-feira, 25 de maio de 2012

APARIÇÃO

Hoje um vento passou por mim.
Não era brisa,
Não era tufão,
Era vento mesmo.
Ritmado,
Na velocidade certa.
Refrescante,
Com cheiro de doces lembranças.
Hoje passou por mim um vento,
Na intensidade tão desejada
Que não pude fazer mais nada
Larguei tudo de qualquer jeito
E fui embora com ele.

15 comentários:

Mª LUISA ARNAIZ disse...

Recuerdos fantásticos me trae oír el aire.
Un abrazo.

Leonardo B. disse...

[quantas vezes a vontade, de nascendo brisa tornar ao caminho na forma da tempestade, fruto de todos os ventos...]

um imenso abraço, Gisa

Leonardo B.

ANTONIO CAMPILLO disse...

El silbido suave del viento apaga todos los sonidos en derredor.
Si lo escuchamos con atención podemos oír lamentos, risas y su labor de tañedor de las rocas.
Cuando queremos, con él se pueden marchar nuestros lamentos y nuestros pesares, lejos, muy lejos...

Un fuerte abrazo, querida Gisa.

Julie disse...

La brisa de tu poesía nos envuelve dulcemente... Un beso.

Rogério Pereira disse...

Hoje
Enfunei as velas
de todos os navios
Fiz girar as pás
de todos os moinhos
Distribuí o pólen
de todas as flores
Afaguei as copas
de todas as árvores
E refresquei
as almas abrasadas
de quem as tinha
Não fui brisa, nem vendaval
nem tufão

Fui a intensidade desejada
...e agora levo-a comigo

Malu Machado disse...

Que linda, Gisa. Quantas vezes esperamos por um vento assim. Sua sensibilidade me traz paz. Adoro te ler. Aproveito os bons ventos por aí. Sempre!

Bjs,

Flor de Jasmim disse...

Não, não era uma brisa
era um beijinho de alguém que sentia saudades da Gisa.
Bom fim de semana

Beijinho e uma flor

O verdadeiro Amor!!! disse...

Boa noite!Entrei para fazer uma visita e adorei.
Vc está de parabéns beijos.

ricardo alves disse...

show de palavras!!!!!!!!!

Aníbal José de Matos disse...

A sedução do Brasil
surge nas tuas palavras,
no ar que respiras e suspiras.
O calor da terra
onde os corações falam mais alto
porque lhes sopra a brisa da paisagem
e da ternura.
É quente o ar,
é quente a alma
e eu sonho com o regresso!
Mas um dia hei-de voltar
ao meu país irmão,
e, então,
vou deixar de sonhar,
porque a fantasia mudará
para uma doce e terna realidade.

Bjs aqui de Portugal

Sérgio Pontes disse...

Muito giro, gostei bastante

Carlos Vieira disse...

Lindo poema. às vezes o vento certo nos coloca em movimento, nos permite seguir seguir adiante.

Abraço

Richard Moisan disse...

Un voile de vent chaud est tellement agréable... Il nous transporte. D'autant plus quand il est parfumé.
Bon week-end, Gisa!

Álvaro Lins disse...

Apesar de tudo espero que voltes:)!
Que esse vento te traga de volta; fazem falta os teus poemas:)
Bjo

Palavras disse...

Oi Gisa,

aqui estou de volta às tuas lindas palavras.
Acho que foi o vento que me trouxe...

Beijos

Leila