segunda-feira, 14 de maio de 2012

CLIC

Quando acordou, 
Logo percebeu a nitidez do colorido. 
Olhou para o lado e o viu dormindo. 
Como pode se revelar tão rápido? 
Não se importava realmente com a resposta. 
Aproximou-se e o despertou com as mais ternas carícias. 
Ele retribuiu com os muitos ângulos e zoons 
Que ela desejava. 
Foi em meio ao calor dos clics mútuos 
De máximo prazer 
Que o despertador tocou. 
Aborrecidos, 
Recolheram-se a sua dimensão paralela, 
Imóvel e colorida, 
Em meio a moldura detalhada de prata. 
Foi por pouco que eles não os perceberam. 
Ficaram de mãos dadas observando 
O enfadonho início de rotina dos seus negativos. 
Logo a noite chegaria de novo 
E, durante o sono deles, 
Poderiam retornar 
Às vibrantes cores das suas 
Sessões fotográficas.

10 comentários:

Carla Ceres disse...

Pelo jeito, você já mexeu com revelação de fotos, Gisa. A geração atual, que tira fotos com o celular, talvez não perceba o quanto esse poema é interessante. Beijos!

Flor de Jasmim disse...

Gisa
Mais um poema que não sei que dizer a não ser que gostei por e simplesmente.
Boa semana

Beijinho e uma flor

ONG ALERTA disse...

Um clic uma recordação beijo Lisette.

Rogério Pereira disse...

Logo a noite chegou de novo
E, durante o sono deles,
Retornaram
Às vibrantes cores das suas
Sessões fotográficas
De manhã, nessa manhã
quando acordaram
a luz era tão intensa, tão intensa
que cegaram
Amanhã se ampararão,
na mas bela escuridão

Nos Amando... disse...

a verdade que devemos viver
não é a mesma que queremos pra nós
linda semana bjs

Ana Andreolli disse...

fotos e suas poses, nem sempre naturais.

heretico disse...

belo "close up"...

beijo

Lu Nogfer disse...

É sempre bom retornar as vibrantes cores!
Lindo poema!
Gosto desse teu jeito poético intenso.

Beijos, amiga!

vieira calado disse...

Olá, amiga!

Passo de fugida noutro computador que o meu não dá...

Bjsss

Richard Moisan disse...

Hmmmm, c'est intense! J'aime beaucoup, Gisa!